Mikhail Klimentyev, Sputnik, Kremlin Pool Photo via AP
Mikhail Klimentyev, Sputnik, Kremlin Pool Photo via AP

Putin está disposto a se reunir com Trump, diz chanceler russo

Chanceler russo, Serguei Lavrov, diz que Kremlin aguarda formalização do convite foi pelo presidente americano em março; diplomata também afirmou que seu país deseja que encontro de Trump com Kim Jong-un 'seja um sucesso'

O Estado de S.Paulo

20 Abril 2018 | 10h38

MOSCOU - O presidente russo Vladimir Putin está "disposto a ter uma reunião" com o colega americano Donald Trump, afirmou o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Serguei Lavrov, antes de esclarecer que o encontro não está sendo preparado atualmente.

Rússia eleva tom após ataque dos EUA à Síria, mas foge de conflito

"O presidente Putin está disposto a uma reunião deste tipo", respondeu Lavrov ao ser questionado pela agência Ria Novosti sobre a possibilidade de um encontro entre os dois chefes de Estado. Mas ele completou que tal reunião "ainda não está sendo preparada".

"Partimos do princípio de que o presidente americano, em uma conversa telefônica, fez um convite e declarou que ficaria feliz de ver Putin na Casa Branca, e depois voltar a encontrá-lo em uma visita recíproca", disse.

“Ele voltou a esse tópico algumas vezes, então nós deixamos nossos colegas americanos saberem que nós não queremos atrapalhar, mas nós também não queremos ser mal-educados, e considerando que o presidente Trump fez essa proposta, nós partimos da posição de que vamos tornar isso concreto”.

+ Efeito de sanções na Rússia ajuda a elevar tensão entre rivais

O convite de Trump a Putin foi feito em março durante uma conversa por telefone, mas não se concretizou desde então, em um contexto de tensão relacionada com o caso do envenenamento do ex-espião russo Serguei Skripal no Reino Unido e com o suposto ataque químico em Duma, na Síria, que os ocidentais atribuem ao regime de Bashar Assad. 

Ao falar sobre a Coreia do Norte, Lavrov comentou que uma desnuclearização da península coreana exigiria um "longo processo de negociações" e que Pyongyang vai pedir "garantias de segurança". 

Também expressou a satisfação do Kremlin com o "diálogo intercoreano" e o futuro encontro entre o líder norte-coreano Kim Jong Un e Trump, com o desejo de que a "reunião seja um sucesso". / AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.