Putin fala em crise mais séria desde Guerra Fria

O presidente russo, Vladimir Putin, classificou hoje a guerra liderada pelos EUA contra o Iraque de a mais séria crise desde o fim da Guerra Fria, e advertiu que ela ameaça a estabilidade global."Pela primeira vez desde o fim da Guerra Fria, a comunidade internacional se defronta com uma crise tão séria", afirmou Putin durante um encontro com líderes da Câmara baixa do Parlamento russo.Essa guerra "periga abalar as fundações da estabilidade global e da lei internacional", acrescentou."A única solução correta para o problema iraquiano é um fim imediato da atividade militar no Iraque e a retomada da busca de uma solução política no Conselho de Segurança da ONU".O Kremlin tem criticado duramente a ação militar dos EUA, mas insiste que seus desacordos com Washington não irão prejudicar os laços entre os dois países, que foram cuidadosamente construídos depois dos ataques de 11 de setembro, quando a Rússia tornou-se um entusiasmado membro da coalizão antiterrorismo."O caráter da parceira de nossas relações com a América permite continuarmos com nosso diálogo franco", considerou Putin.Autoridades russas têm demonstrado preocupação que os interesses russos e de companhias russas, que assinaram vários contratos para desenvolver a indústria petrolífera iraquiana, possam ser marginalizados por empresas americanas num Iraque pós-guerra. Bagdá também deve à Rússia cerca de US$ 8,5 bilhões em débitos da era soviética.A Rússia "nunca vinculou diretamente sua posição sobre o Iraque a fatores econômicos ou vantagens econômicas", garantiu. "A economia é uma parte importante da política, mas se cometermos um erro no tratamento político da situação, no fim também perderemos na economia".A guerra é tremendamente impopular na Rússia, e uma série de pesquisas mostra que os russos torcem por ampla maioria pela vitória do Iraque na guerra. A Câmara baixa do Parlamento, a Duma Estatal, já postergou a ratificação de um tratado de controle de armas entre Rússia e EUA, apoiado pelo Kremlin, devido à guerra.Mais cedo hoje, o chanceler russo, Igor Ivanov, disse durante um encontro com o primeiro-ministro libanês, Rafiq al-Hariri, que "a principal tarefa agora é parar essa guerra que traz sofrimento para uma população pacífica e causa vítimas e destruição".Durante uma reunião com seu colega indiano, Kanwal Sibal, Ivanov exortou os Estados Unidos e Grã-Bretanha a darem atenção às advertências internacionais de que "o maior desastre humanitário da historia recente" pode ocorrer no Iraque se a guerra não for suspensa. Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.