AP Photo/Pavel Golovkin
AP Photo/Pavel Golovkin

Putin fala em proibir mais de 2 mandatos consecutivos

Declaração provocou especulação sobre se ele que deixar o Kremlin depois de 2024 ou se candidatar sob nova regra

Estadão, O Estado de S.Paulo

19 de dezembro de 2019 | 21h34

MOSCOU - Um comentário enigmático de Vladimir Putin sobre a limitação do número de mandatos presidenciais reviveu ontem especulações sobre sua saída do Kremlin em 2024. Durante sua tradicional entrevista coletiva anual, o presidente russo foi questionado sobre uma reforma da Constituição, em particular sobre a proibição de exercer mais de “dois mandatos consecutivos”. “O que poderia ser feito com relação a esses mandatos é suprimir o termo ‘consecutivo’ quando se refere à função presidencial”, afirmou.

As declarações de Putin provocaram várias especulações. Se esse termo for removido da Constituição, poderia excluir a possibilidade de Putin retornar ao governo após 2024, quando seu atual segundo mandato expira, ou indicar que ele planeja concorrer novamente sob novas regras e uma nova Constituição.

Após sua última reeleição, em 2018, houve muita especulação sobre as intenções de Putin para depois de 2024. Alguns apostam que ele pretende manter o poder por meio de novas funções ainda a serem definidas, outros que ele se tornará provisoriamente primeiro-ministro. Até agora, o Kremlin considerou prematuro tratar dessa questão, já que o presidente russo tem mais de quatro anos de governo.

Putin assumiu a presidência em maio de 2000, foi reeleito para outro mandato de quatro anos em 2004. Como não podia seguir na presidência, assumiu a chefia de governo, em 2008, colocando seu aliado Dmitri Medvedev na presidência. Mas em 2012, Putin foi eleito novamente para um mandato de seis anos e reeleito em 2018.

Até agora, Putin havia manifestado interesse em manter os mandatos consecutivos. Ele também mencionou a possibilidade de fortalecer os poderes do Parlamento de maneira “muito cuidadosa” e depois de “uma discussão aprofundada na sociedade”. / AFP e W.POST

Tudo o que sabemos sobre:
Vladimir PutinRússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.