Putin faz proposta antimíssil à Otan

O presidente Vladimir Putin aproveitou uma visita do secretário-geral da Otan para apresentar com maiores detalhes a resposta de Moscou a um plano de defesa antimíssil dos EUA - consultas na Europa e a possível criação de um escudo antimíssil menor e conjunto com membros europeus da Aliança Atlântica. Putin pediu a George Robertson para considerar com rapidez a proposta, que prevê uma avaliação conjunta de riscos e o desenvolvimento, como último recurso, de defesas antimísseis móveis."Nossos especialistas civis e militares estão prontos para desembarcar em Bruxelas e explicar o significado das propostas russas ao público europeu", afirmou Putin a Robertson, num encontro no Kremlin. Putin havia sugerido a proposta pela primeira vez no ano passado, mas a falta de detalhes fez com que observadores considerassem que a iniciativa de Moscou era apenas uma tentativa de criar dissensão entre os membros europeus da Otan e os Estados Unidos.Detalhes do plano ainda eram incompletos hoje. Oficiais russos disseram que ele prevê a formação de um grupo conjunto de especialistas que analisaria possíveis ameaças de mísseis. Se tais ameaças fossem consideradas sérias, a Rússia e os Estados europeus poderiam desenvolver conjuntamente defesas antimísseis. "As unidades móveis antimísseis serão deslocadas nas direções onde há maiores riscos de mísseis a fim de cobrir as instalações mais importantes", afirmou um oficial do Ministério da Defesa, coronel-general Leonid Ivashov.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.