Putin não se candidatará à reeleição na Rússia

A decisão do presidente russo, Vladimir Putin, de deixar o cargo ao fim de seu mandato, em março de 2008, se mantém "invariável", segundo informações concedidas pelo o Kremlin nesta sexta-feira, 30, em comunicado."O presidente russo expressou sua opinião sobre o assunto em várias ocasiões e ela não mudou", acrescentou um porta-voz do Kremlin à agência "Interfax".A Constituição russa não permite mais de dois mandatos presidenciais consecutivos de quatro anos cada um, por isso Putin deverá deixar o cargo após as eleições de março do próximo ano.O chefe do Kremlin, no poder desde o começo de 2000, afirmou em várias ocasiões ser contrário à alteração da Constituição, considerando que colocaria em risco a estabilidade do país.O presidente do Conselho da Federação Russa (Senado), Serguei Mironov, reeleito hoje por maioria arrasadora, se manifestou a favor de emendar o capítulo quatro do artigo 81 da Constituição para permitir que Putin permaneça no cargo.Mironov também defendeu o aumento do mandato presidencial dos quatro anos atuais para cinco, ou mesmo sete, como na França.Membros do partido governista "Rússia Unida", nacionalistas, liberais e o líder dos comunistas, Gennady Zyuganov, se manifestaram hoje contra as reformas constitucionais propostas por Mironov.O vice-ministro de Justiça da Rússia, Vladimir Kolesnikov, também classificou como "anacrônico" o artigo constitucional.A república russa da Chechênia apresentou no final do ano passado uma iniciativa legal na Duma, a Câmara dos Deputados da Rússia, para a renovação do mandato de Putin, sendo apoiada por outras regiões do país.Alguns políticos russos citaram inclusive a possibilidade de se convocar um plebiscito, baseados em dados que indicam que 57% dos russos aprovariam uma mudança na Lei Fundamental para permitir que Putin continue no poder.Putin, que sucedeu Boris Yeltsin no Executivo em 31 de dezembro de 1999, foi eleito presidente da Rússia em pleito realizado em março de 2000 e reeleito nesse mesmo mês de 2004.Segundo todas as apostas, o vice-primeiro-ministro Dmitri Medvedev, de 40 anos e também nascido em São Petersburgo, deverá suceder Putin na presidência.Desde sua chegada ao posto de vice-primeiro-ministro, em novembro, Medvedev se encarrega de projetos nacionais de grande importância social nos campos da Educação, Saúde, Construção Civil e Agricultura.Medvedev é uma figura aceitável para os governadores regionais e empresários, e também é bem-visto pelas chancelarias ocidentais, como foi observado durante seus discursos no Fórum de Davos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.