Putin nega que relações com Obama estão danificadas

O presidente russo, Vladimir Putin, negou as alegações de que sua relação pessoal com Barack Obama está danificada e disse que é interessante trabalhar com o líder norte-americano.

AE, Agência Estado

04 de setembro de 2013 | 08h45

"Todas as nossas conversas são muito construtivas por natureza, muito substanciais e bastante francas", disse Putin em uma entrevista à emissora Channel One divulgada nesta quarta-feira. "Neste contexto, o presidente dos EUA é um bom interlocutor. É fácil de falar com ele, porque está claro o que a pessoa quer, a sua posição é clara. Ele ouve a posição da outra pessoa."

"É interessante para mim trabalhar com ele", disso o presidente russo.

Depois que Putin voltou ao Kremlin para um terceiro mandato no ano passado, os laços com os EUA se deterioraram dramaticamente por causa de uma série de questões, incluindo a crise síria e temas de direitos humanos.

A tensão atingiu o auge depois que Moscou concedeu asilo para Edward Snowden, levando Obama a cancelar um encontro com Putin planejado para ocorrer em Moscou antes da reunião do G-20. A cúpula do G-20 começa nesta quinta-feira.

Putin admitiu que ficou decepcionado com a decisão de Obama, mas destacou que o cancelamento não era uma "catástrofe". O presidente russo disse que entendeu que algumas das decisões de Moscou não são bem aceitas pela administração dos EUA.

"Eu acho que seria bom não ficar irritado". Segundo Putin, a melhor abordagem é permanecer paciente e "trabalhar para encontrar soluções".

O Kremlin disse que uma reunião bilateral ou uma conversa menos formal não foram agendadas para Putin e Obama na cúpula do G-20, mas o líder russo disse que aguarda ter uma discussão com Obama. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
RÚSSIAEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.