Putin nega que serviço secreto russo mate traidores

O primeiro-ministro da Rússia, Vladimir Putin, disse hoje que os serviços especiais do país abandonaram a prática da era soviética de matar traidores. Respondendo a uma pergunta sobre se ele já havia ordenado que os serviços especiais assassinassem traidores, Putin disse, durante uma sessão transmitida ao vivo pelas televisão e rádios estatais, que tal prática foi encerrada junto com a União Soviética. Ele também declarou que o "animal" que traiu os dez espiões russos que foram detidos nos Estados Unidos neste ano não vai viver com felicidade.

AE, Agência Estado

16 de dezembro de 2010 | 12h58

Putin se reuniu com os dez agentes e cantou com eles canções patrióticas. Eles voltaram ao país de origem após uma troca de espiões pouco depois de terem sido detidos. O primeiro-ministro os elogiou mais uma vez hoje e se referiu ao oficial da inteligência suspeito de trair os companheiros como um "suíno". As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.