Putin, o último aliado de Yanukovich

O presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovich, retomou suas funções na segunda-feira, 3, no momento em que seus opositores deram duas grandes demonstrações de força ao chefe de Estado nos últimos três dias.

CENÁRIO: Andrei Netto - O Estado de S. Paulo,

03 de fevereiro de 2014 | 21h42

Uma no centro de Kiev, onde mais de 50 mil pessoas se reuniram para pressionar o governo a antecipar as eleições. Outra em Munique, na Alemanha, onde o líder Vitali Klitschko impressionou pela firmeza e pelo discurso democrático, recebendo apoios como o do secretário de Estado americano, John Kerry.

Enquanto a oposição se mobiliza, a fatia da população que em tese é pró-Rússia, em especial em centros urbanos industriais do leste do país, não se levanta para defender Yanukovich, que parece isolado. Mas as aparências enganam. Seu maior aliado, a Rússia de Vladimir Putin, tem dinheiro e está em posição de força no cenário geopolítico internacional. O dinheiro e a influência de Putin podem ser as últimas garantias de sobrevida de Yanukovich no poder. Mas, como lembram analistas ucranianos e russos, num país marcado por corrupção e clientelismo, não é pouca coisa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.