Reuters
Reuters

Putin oferece enviar soldados para força de paz nas Colinas de Golan

Presidente russo disse que homens iriam substituir boinas azuis austríacos, que serão retirados do local

O Estado de S. Paulo,

07 de junho de 2013 | 17h48

MOSCOU - O presidente da Rússia, Vladimir Putin, garantiu nesta sexta-feira, 7, estar disposto a enviar um contingente de paz para a região das Colinas do Golan para substituir os boinas azuis austríacos, cuja retirada foi anunciada quinta-feira, em razão dos conflitos no local.

"Por causa da difícil situação em que as Colinas de Golan se encontram atualmente, poderíamos substituir o contingente austríaco que vai deixar a região, na linha que separa as tropas de Israel e o Exército da Síria", afirmou Putin, citado por agências de notícias russas.

O presidente russo acrescentou que isso só será feito "obviamente, caso as potências regionais estejam interessadas e se o secretário-geral da ONU apresentar um pedido oficial". Putin lembrou que se reuniu com Ban Ki-moon, recentemente, em Moscou. "Ele me pediu que aumentássemos nossa participação nas operações de pacificação da ONU."

Representantes das Nações Unidas na capital russa elogiaram nesta sexta-feira a proposta do Kremlin em entrevista à agência oficial russa RIA Novosti. "A ONU dá as boas-vindas a qualquer contribuição da comunidade internacional para esforços de pacificação nas Colinas do Golan", disse um funcionário da ONU.

A Áustria anunciou a retirada, o mais rápido possível, dos seus 380 boinas azuis da Força de Separação da ONU, apesar de ser uma decisão que segundo Ban Ki-moon pode afetar gravemente a missão de paz na região.

O anúncio se tornou público poucas horas depois de ocorrerem confrontos entre os rebeldes e o Exército sírio nas proximidades da cidade de Quneitra, o que obrigou os soldados da ONU a se refugiarem em seus bunkers./ EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.