AFP PHOTO/ ERIC FEFERBERG
AFP PHOTO/ ERIC FEFERBERG

Putin ordena cooperação militar com a França contra o EI

Após sinal de mudança na linha diplomática francesa na Síria sobre destino de Assad, líder russo trata Paris como aliada no conflito 

ANDREI NETTO, CORRESPONDENTE / PARIS

17 de novembro de 2015 | 14h49

(Atualizada às 22h42) - Vítimas de atentados terroristas recentes reivindicados pelo Estado Islâmico (EI), França e Rússia lançaram na noite de terça-feira mais uma série de bombardeios contra a cidade síria de Raqqa, horas depois de selarem uma reaproximação na luta contra a organização jihadista.

O presidente russo, Vladimir Putin, anunciou ter ordenado ao Ministério da Defesa que coopere com a “aliada” França em operações na Síria, em retaliação ao atentado contra o avião da companhia russa Metrojet, derrubado no dia 31 no Egito

A senha para a aproximação foi dada pela manhã, quando o serviço secreto russo FSB confirmou que o Airbus A-321 da Metrojet, que caiu com 224 pessoas a bordo, foi de fato vítima de um atentado, como afirmavam autoridades de França, Grã-Bretanha e Estados Unidos. 

Minutos depois, Putin foi a público confirmar que, como a França, a Força Aérea russa ampliaria os ataques na Síria. Aviões bombardeiros T-22 já haviam atingido as províncias de Raqqa, “quartel-general” do grupo terrorista, e Deir es-Zor, além de atacar Alepo e Idlib, ao norte e noroeste da Síria, controladas por grupos de oposição a Assad não alinhados ao EI.

“A ação militar de nossa aviação na Síria será não apenas mantida, mas intensificada para que os criminosos percebam que o castigo é inevitável”, informou Putin.

No início da noite em Moscou, o presidente russo voltou a se pronunciar, anunciando ter ordenado a cooperação entre seu Ministério da Defesa e a Marinha da França na região. “Um grupo naval francês, liderado por um porta-aviões, entrará em breve na área de operações”, afirmou Putin em comunicado distribuído pelo Kremlin. A mensagem referia-se ao porta-aviões francês Charles De Gaulle, que ruma para o Oriente Médio. “É necessário estabelecer contato direto com a França e trabalhar com ela, como aliados”, afirmou o líder russo.

No comunicado, o Kremlin confirmou ainda que os dois presidentes conversaram por telefone e acertaram que a cooperação militar e de inteligência sobre o conflito sírio será aprimorada. O governo francês também confirmou que o presidente François Hollande visitará Moscou para um encontro bilateral no dia 26, dois dias depois da reunião que terá com o presidente dos EUA, Barack Obama, em Washington.

Forças terrestres. A cooperação entre Hollande e Putin, adversários na crise da Ucrânia, foi anunciada após a entrevista concedida por Obama, paralelamente à cúpula do G-20, na Turquia, na qual o presidente americano descartou a possibilidade de enviar forças terrestres à Síria. Embora Paris não tenha até agora mencionado em público o desejo de enviar soldados ao país, nos bastidores diplomáticos essa possibilidade é cogitada.

O ponto de inflexão ocorreu na segunda-feira, quando Hollande designou o EI como “o inimigo” de seu país na Síria – e não Bashar Assad, em um sinal de mudança de rumos da política externa que colocou Paris mais próxima da posição do governo russo, aliado de Assad.

O Palácio do Eliseu vem utilizando a expressão “ato de guerra” para definir os atentados em Paris. Essa retórica ampara os pedidos de apoio militar e de formação de uma coalizão uniforme na luta contra o EI.

O ministro francês da Defesa, Jean-Yves Le Drian, evocou nesta terça-feira os tratados comunitários para reivindicar a mobilização de outros governos da União Europeia em apoio a um país sob ataque externo. “Em Bruxelas, acabo de invocar o artigo 42.7 em nome da França”, confirmou Le Drianpelo Twitter. Em reunião extraordinária do Conselho de Ministros de Defesa, ele defendeu “maior participação militar da União Europeia” no conflito.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.