Jim Lo Scalzo/Pool via AP - 01/03/22
Jim Lo Scalzo/Pool via AP - 01/03/22

Discurso sobre o Estado da União: 'Putin pagará o preço por invasão', diz Biden

Presidente americano acusou o líder russo de ignorar a diplomacia e subestimar a resposta do Ocidente à invasão

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de março de 2022 | 00h12

WASHINGTON – O presidente americano, Joe Biden, fez duras críticas nesta terça-feira, 1º, ao líder russo, Vladimir Putin, em virtude da guerra na Ucrânia durante seu primeiro discurso sobre o Estado da União. Biden acusou Putin de ignorar a diplomacia e subestimar a resposta do Ocidente à invasão. No discurso, com um tom agressivo, mas focado em exaltar a eficácia das sanções, o democrata tentou mostrar um Putin isolado perante o mundo.

“A liberdade vai vencer a tirania. Putin pensou que o Ocidente e a Otan não reagiriam e poderia nos dividir. Ele estava enganado. Estamos prontos”, disse o presidente. “Ao longo da nossa história, aprendemos esta lição: quando ditadores não pagam o preço por suas agressões, eles causam mais caos. Eles continuam se movimentando e os custos para os Estados Unidos e o mundo seguem aumentando.”

Biden ainda usou o discurso para fazer uma defesa da Otan, a aliança atlântica criada depois da Segunda Guerra Mundial entre americanos e europeus. “A Otan foi criada para garantir paz e estabilidade na Europa e ela ainda importa”, declarou. “A diplomacia americana ainda importa.”

Biden reiterou a promessa de não mandar tropas para a Ucrânia, mas ressaltou o compromisso de defesa com a Otan, caso Putin decida atacar algum membro da aliança. O presidente ponderou, no entanto, que o preço que Putin terá de pagar a longo prazo com as sanções torna essa possibilidade improvável.

“Para esse propósito, mobilizamos forças terrestres americanas, esquadrões aéreos, destacamentos de navios para proteger os países da Otan, incluindo Polônia, Romênia, Letônia, Lituânia e Estônia”, acrescentou.

O presidente reiterou o apoio americano ao líder ucraniano Volodmir Zelenski e prometeu uma resposta coletiva dos aliados à invasão por meio de sanções.

“Estamos asfixiando o acesso da russo a recursos financeiros e tecnologia”, disse Biden. “Acabou. Putin sabe que está mais isolado como jamais esteve. Ele não tem ideia do que está vindo para cima dele.”

Muitos parlamentares de ambos os partidos usaram fitas azuis e amarelas nos trajes ao longo do discurso, em referência à resistência ucraniana contra a invasão russa.

Durante o pronunciamento, Biden anunciou ainda o banimento de aeronaves russas do espaço aéreo americano, seguindo o exemplo da punição anunciada no fim de semana pela União Europeia. Nos Estados Unidos, no entanto, a sanção deve ter efeito prático limitado já que a aérea russa Aeroflot realiza poucas viagens para o país.

Agenda doméstica

Além da guerra na Ucrânia, outra pauta que marcou o discurso foi a economia e o custo de vida em alta depois da pandemia de covid-19.

O objetivo de Biden durante o pronunciamento foi acalmar os americanos sobre a trajetória da economia do país, principalmente a preocupação com a inflação. Durante a fala, o presidente vendeu ideia de que os Estados Unidos vivem a explosão mais rápida de crescimento econômico em quase 40 anos e a alta dos preços seria, portanto, uma consequência disso.

“Os empregos voltaram, os salários aumentaram e o país voltou aos movimentos da vida cotidiana quase dois anos depois que a pandemia propagou a pior crise econômica desde a Grande Depressão”, disse o presidente.

Infraestrutura

Biden também usou seu discurso para defender seu pacote de infraestrutura e prometeu renovar os investimentos em tecnologia, bem como em obras para melhorar o escoamento da produção da economia americana, como estradas e pontes.

Na noite de ontem, todo o gabinete de Biden assistiu ao discurso, exceto a secretária de Comércio Gina Raimondo. Ela cumpriu a tradição do “sobrevivente designado” – criada caso algum ataque ocorra quando os líderes do Executivo e do Legislativo estão reunidos no Capitólio.

A tradição acabou virando uma série de sucesso com o ator Kiefer Sutherland, que fez sucesso em plataformas de streaming. /W. POST

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.