Putin pede crescimento e promete novas armas

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse à população que desenvolveria novas armas estratégicas e exigiu que os representantes do governo façam mais para estimular o crescimento econômico, para que o país volte a ser poderoso. Em seu pronunciamento anual à nação, Putin previu que a Rússia vencerá os rebeldes na conturbada república separatista da Chechênia, onde mais de 75 pessoas morreram nesta semana, em dois atentados.De acordo com o presidente, as forças russas "encerrariam o trabalho" e acabariam com a guerra, num sinal de que o Kremlin pretende prosseguir com as ações militares. "Nós enfrentamos sérias ameaças", disse Putin a parlamentares reunidos na sala de mármore do Kremlin, antigamente utilizada para reuniões de alto nível do Partido Comunista Soviético.O pronunciamento de Putin é visto na Rússia como o pontapé inicial de sua campanha para ser reeleito presidente no próximo ano. Apesar da popularidade em alta e a possibilidade de um segundo mandato não ser contestada, o discurso de Putin mais se parecia com um comício eleitoral.Sob sua liderança, disse Putin, a Rússia evitou a desintegração. Ele afirmou que o objetivo estratégico do país é transformar-se novamente numa nação poderosa. "A Rússia pode existir dentro de suas próprias fronteiras apenas se for uma grande potência", acredita.Com a voz firme, Putin destacou a pobreza, a redução populacional, a disseminação de armas de destruição em massa e o terrorismo internacional como os principais problemas a serem enfrentados. De acordo com o presidente russo, a burocracia inflada do país deve ser cortada. Sobre reformas políticas, ele disse que a possibilidade de formação de um governo baseado em maioria parlamentar deve ser considerada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.