Putin promete armas para a oposição afegã

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse que seu país iria intensificar seu apoio às forças de oposição do Afeganistão, e que estava preparado para fornecer armas e equipamentos militares aos opositores do Taleban. "Estamos ampliando a cooperação com o governo reconhecido internacionalmente do Afeganistão, chefiado pelo Sr. Rabbani, e proporcionaremos ajuda adicional para suas forças armadas na forma de armas e equipamentos militares", disse Putin, em pronunciamento à tevê. Putin disse ainda que a Rússia está pronta para abrir seu espaço aéreo para ajuda humanitária, no caso de um ataque ao Afeganistão, e disse que os países da Ásia Central podem abrir seus campos aéreos para os EUA. No pronunciamento para a tevê, Putin disse que a Rússia proporcionaria cooperação ativa aos esforços de combate ao terrorismo internacional, como partilhar informações do serviço de inteligência sobre a infra-estrutura dos grupos terroristas internacionais, e suas bases. Putin também pediu por maior confiança das organizações internacionais, tais como a ONU e seu Conselho de Segurança, em determinar quais as medidas a serem tomadas contra o terrorismo internacional. O líder russo disse que sua posição seria compartilhada por seus aliados na Ásia Central, países que estão próximo ao Afeganistão e que "não descartam" em disponibilizar suas bases no combate ao terrorismo internacional. Informes não confimados da Ásia dizem que tropas americanas desembarcaram em pelo menos um país da região, o Usbequistão. "Outras formas de cooperação estreita entre a Rússia e participantes da operação antiterror são possíveis. A profundidade e a característica dessa cooperação dependerá diretamente de nossas relações com esses países e nosso entendimento mútuo", disse Putin. Contudo, a estratégia russa no caso de uma possível ofensiva dos EUA no Afeganistão continua indefinida em público. A posição da Rússia é crucial, especialmente se uma operação tiver como base um dos ex-Estados soviéticos na Ásia Central, que a Rússia considera como sua esfera de influência. O presidente russo realizou inúmeras reuniões com seus auxiliares em segurança, defesa e inteligência e conversou por telefone com o presidente dos EUA, George W. Bush, no sábado. Putin também conversou com todos os presidentes dos cinco países localizados na Ásia Central, no domingo. Putin disse que a Rússia está pronta para uma ampla cooperação com os EUA, mas indicou que o país não oferecerá tropas para qualquer ação militar americana, e não receberia bem nenhuma decisão unilateral dos EUA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.