Putin protesta contra operação militar dos EUA no Iraque

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse hoje em Moscou que a operação militar dos Estados Unidos contra o Iraque não se justifica e exortou o governo norte-americano a "pôr fim às hostilidades". De acordo com a rede CNN, Putin se reuniu hoje com seu gabinete no Kremlin, onde disse que a ação militar não se justifica de forma alguma e que essa operação se trata de um grande "equívoco político". A agência Interfax informou que Putin teria afirmado que o Iraque não representava nenhuma ameaça no momento em que começou a ser atacado. "Se permitimos que a lei do punho substitua o direito internacional, pela qual o mais forte sempre tem razão e tem direito a fazer qualquer coisa, os meios que um país (neste caso os EUA) usa para conseguir seus objetivos ficam ilimitados", protestou Putin, segundo a Interfax. "Neste caso, um dos princípios básicos do direito internacional, o da soberania dos países, que é inalienável, acaba sendo desrespeitado." Putin reafirmou ainda que não haviam razões para uma ação militar, porque a principal pergunta não havia sido respondida até agora: "O Iraque tem aramas de destruição em massa? E se for assim, o que se deveria fazer e quão rápidas deveriam ser eliminadas?". Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.