Putin quer vetar adoções por gays franceses

O presidente russo, Vladimir Putin, indicou ontem que seu governo buscará mudanças no acordo que regulamenta as adoções de crianças russas por pais franceses, alegando que a nova lei francesa, que permite o casamento gay e a adoção de crianças por homossexuais, contraria os valores tradicionais russos. Moscou já suspendeu as adoções por americanos após disputa com Washington sobre direitos humanos.

MOSCOU, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2013 | 02h05

O movimento para acabar com o acordo com a França, ou a imposição de novas restrições, deve aprofundar as divisões entre Putin e as nações europeias a respeito da homossexualidade e dos direitos dos gays.

Putin, que defende valores socialmente conservadores desde que começou seu terceiro mandato, há um ano, foi recebido na Holanda, neste mês, por manifestantes que protestavam contra a legislação russa que, segundo críticos, discrimina os homossexuais.

Em uma reunião sobre questões infantis, Putin expressou seu apoio à deputada regional Marina Orgeyeva, que propôs a revisão do acordo com a França. O Parlamento francês aprovou, na terça-feira, a lei que dá aos casais gays os mesmos direitos dos heterossexuais.

"Precisamos reagir ao que ocorre ao nosso redor", disse Putin. "Respeitamos nossos parceiros, mas pedimos que respeitem nossas tradições culturais e as normas éticas, legislativas e morais da Rússia." / AP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.