EFE|Khaled Elfiqi
EFE|Khaled Elfiqi

Putin suspende voos para Egito e pede que turistas russos sejam repatriados

Presidente da Rússia optou pela decisão até que sejam confirmadas as causas da queda do avião na Península do Sinai

O Estado de S. Paulo

06 de novembro de 2015 | 14h37

MOSCOU - O presidente da Rússia, Vladimir Putin, deu nesta sexta-feira, 6, sinal verde à recomendação do Serviço de Segurança (FSB, antiga KGB) e ordenou a suspensão dos voos do país ao Egito até que as causas da queda do Airbus A-321 na Península do Sinai, com 224 pessoas a bordo, sejam conhecidas.

"O presidente está de acordo com a recomendação e encarregou o governo de colocá-la em prática, assim como garantir o retorno dos cidadãos russos que se encontram no Egito. Também ordenou a coordenação com autoridades egípcias para garantir a segurança da comunicação aérea", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

A ordem de Putin veio pouco depois que o chefe da FSB, Alexander Bortnikov, recomendou a suspensão dos voos durante uma reunião extraordinária do Comitê Nacional Antiterrorismo da Rússia.

"Até que determinemos as verdadeiras causas do ocorrido, considero conveniente suspender os voos das companhias russas ao Egito, e isso se refere, sobretudo, aos locais turísticos", disse Bortnikov.

Putin também instruiu as autoridades a repatriarem os russos que estiverem na cidade turística de Sharm el-Sheikh, local onde caiu a aeronave.

"Precisamos ter dados absolutamente objetivos e confirmados sobre as causas da queda do avião. Precisamos disso para investigar os motivos da catástrofe e informar à opinião pública", disse o chefe da FSB, conforme declarações divulgadas pela imprensa local.

"Esse trabalho deve ser feito da maneira mais escrupulosa e durante todo o tempo que for necessário", acrescentou.

Os EUA e a Grã-Bretanha consideraram nesta semana que o avião pode ter sido alvo de um atentado a bomba. /EFE e ASSOCIATED PRESS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.