Mikhail Klimentyev, Sputnik, Kremlin Pool Photo via AP
Mikhail Klimentyev, Sputnik, Kremlin Pool Photo via AP

Putin tem enorme vantagem em armas nucleares pequenas e táticas; leia análise

Conflito nuclear não seria necessariamente a 3ª Guerra Mundial – e isso pode ser útil para os russos

Jason Willick, The Washington Post, O Estado de S.Paulo

05 de março de 2022 | 05h00

O presidente russo, Vladimir Putin, vem brandindo a capacidade de seu arsenal nuclear com tanta convicção que nem mesmo uma peça de propaganda – uma transmissão da TV russa mostrando seu líder, por exemplo, dirigindo um lançador móvel de mísseis balísticos intercontinentais pela Praça Vermelha – seria menos sutil que o discurso atual.

Antes de iniciar a invasão da Ucrânia, Putin supervisionou pessoalmente um exercício nuclear russo. No último domingo, ele colocou suas forças nucleares em alerta máximo. Caso alguém ainda não tenha entendido a mensagem, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, prometeu na quarta-feira que, se a 3ª Guerra Mundial vier, ela será um conflito nuclear.

Mas um conflito nuclear não será necessariamente a 3ª Guerra Mundial – e isso pode ser uma vantagem para os russos. Se Putin enveredar por este caminho, é mais provável que autorize o uso limitado de armas nucleares menores e “não estratégicas”. E, embora não possam acabar com o mundo, elas são capazes de encerrar uma batalha – ou mesmo uma guerra – eliminando os 160 tanques de uma divisão blindada, por exemplo. A Rússia poderia ser encorajada a dar esse passo porque tem mais armas nucleares táticas do que todos os seus rivais, incluindo os Estados Unidos.

Esse desequilíbrio merece atenção americana imediata. A Rússia tem uma liderança modesta sobre os Estados Unidos em ogivas nucleares estratégicas de longo alcance reguladas pelo tratado New Start de 2010 – 1.456 contra 1.357 das armas de alta carga. Mas quando se trata de armas nucleares táticas não regulamentadas, de menor alcance e menor carga útil, de acordo com um relatório do Serviço de Pesquisa do Congresso de 2021, a diferença é gritante: os americanos têm apenas 230 unidades relatadas, com 100 delas implantadas em aeronaves na Europa, contra 2 mil unidades russas.

Quatro anos atrás, a Revisão da Postura Nuclear do governo Trump levantou a perspectiva de que, em um conflito perto das fronteiras da Rússia, Moscou poderia “confiar em ameaças de primeiro uso nuclear limitado, ou primeiro uso real, para coagir nós, nossos aliados e parceiros a encerrar um conflito em termos favoráveis ​​à Rússia”.

Embora a Rússia possa perder uma guerra convencional com a Otan – e todos os lados perderiam em uma guerra nuclear completa –, o pensamento continua: o uso de uma ou várias armas nucleares não estratégicas por Moscou contra alvos militares levaria o conflito para um reino que a Rússia está equipada para dominar.

A Rússia não seria dissuadida de cruzar essa linha na Europa pela perspectiva de destruição mutuamente assegurada? Talvez, mas a noção de que Washington escalaria para armas nucleares estratégicas na ausência de uma ameaça iminente à pátria “é muito extrema para ser convincente e, portanto, improvável de funcionar”, escreveu o estrategista conservador e dissuasivo Elbridge Colby na revista Foreign Affairs em 2018.  Em seu artigo, ele argumentou que, se a Rússia cruzasse o limiar nuclear com uma arma de baixo rendimento contra um estado da Otan, os Estados Unidos precisariam "responder na mesma moeda ou arriscar a derrota".

No entanto, as armas nucleares não estratégicas da Rússia não são apenas mais numerosas, mas também mais versáteis do que as dos Estados Unidos, muitas das quais podendo ser lançadas apenas do ar (tornando sua credibilidade parcialmente dependente da superioridade aérea ocidental). A Rússia está construindo um arsenal que inclui não apenas mísseis terra-terra, mas também “mísseis antinavio e antissubmarino, torpedos e cargas de profundidade”, de acordo com o testemunho do diretor da Agência de Inteligência de Defesa no Congresso em 2019. No fim de semana passado, a Rússia disparou mísseis Iskander convencionalmente armados, que também podem ser armados com ogivas nucleares, na Ucrânia a partir de Belarus.

O governo Biden está contemplando políticas que podem ampliar a vantagem nuclear não estratégica da Rússia. A Orientação Estratégica de Segurança Nacional Interina prometeu em março passado “reduzir o papel das armas nucleares em nossa estratégia de segurança nacional”. Alguns membros do Congresso e aliados dos EUA temem que o Pentágono adote uma “política declaratória” que limite as circunstâncias em que os Estados Unidos se reservam o direito de usar armas nucleares. O Politico informou em janeiro que a Nuclear Posture Review também pode procurar aposentar o W76-2, uma arma nuclear de baixo rendimento que foi implantada pela primeira vez em 2019 em um submarino americano e pretende ser uma resposta parcial à força não estratégica da Rússia.

A guerra na Ucrânia pode ser uma oportunidade para um punhado de estrategistas teimosos do governo Biden prevalecer contra os idealistas do controle de armas, que acreditam que, dada a destrutividade dessas armas, uma vantagem quantitativa oferece pouca vantagem prática. Mas a dissuasão nuclear tem a ver com percepção e vontade. Defensores do controle de armas há muito sustentam que o desarmamento dos EUA seria recebido com reciprocidade russa, mas essa fé é seriamente prejudicada pelas ameaças nucleares de Moscou em meio aos combates na Ucrânia.

As proezas tecnológicas ocidentais e a magia financeira estão construindo um bloqueio virtual ao redor do Kremlin sem a ameaça direta da força militar. Mas o mundo real é, em última análise, o pano de fundo estratégico para este e todos os conflitos armados, e as ferramentas da revolução da informação não podem aumentar a dissuasão nuclear. Putin sabe disso. Para esvaziar as ameaças do Kremlin, os Estados Unidos precisarão das armas necessárias para fazer Putin se preocupar que, mesmo em um campo de batalha nuclear “limitado”, ele perderia.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.