Putin usa trunfos para conquistar a joia da antiga URSS

ANÁLISE: Gilles Lapouge

O Estado de S.Paulo

04 de dezembro de 2013 | 02h11

A União Europeia lançou uma ofensiva diplomática para atrair seis ex-repúblicas soviéticas (Armênia, Azerbaijão, Geórgia, Moldávia, Bielo-Rússia e Ucrânia). Quatro desistiram. Só Geórgia e Moldávia aceitaram, países com menos de quatro milhões de habitantes cada. E o líder russo Vladimir Putin deve exercer uma pressão perversa para arrancá-los da esfera de influência de Bruxelas e colocá-los em seu projeto antagônico: a União Eurasiana, projetada por Putin com o objetivo de construir a qualquer custo a "réplica oriental" da Europa de Bruxelas.

Neste conflito, a verdadeira presa é a Ucrânia. País poderoso e rico, com uma agricultura que outrora alimentou a URSS (o trigo ucraniano), minas de carvão e uma indústria de peso, a Ucrânia, com seus 45 milhões de habitantes, é a verdadeira joia da antiga URSS. Sua geografia reproduz a divisão entre a Europa de Bruxelas e a vertente oriental do continente, que olha para a Rússia. A Ucrânia, do lado oriental, está fascinada por Moscou, ao passo que, na parte ocidental, os olhos estão voltados para Paris, Berlim e Londres. Putin assedia Kiev usando seus trunfos: petróleo e comércio. A chantagem teve sucesso até agora. Embora pressionada, a Ucrânia recusa-se a assinar o pacto com a UE. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

É CORRESPONDENTE EM PARIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.