Pyongyang ameaça atacar se Coreia do Sul mantiver exercícios militares

Norte-coreanos alertam para 'reação ainda mais forte' que bombardeio do mês passado

Reuters

17 de dezembro de 2010 | 07h26

SEUL - A Coreia do Norte ameaçou nesta sexta-feira, 17, atacar novamente a Coreia do Sul se este país realizar um exercício militar programado para uma ilha disputada pelos dois países.

 

Veja também:

video TV Estadão: Roberto Godoy analisa nova crise coreana

blog Radar Global: Veja imagens do ataque norte-coreano

documento Arquivo Estado: O armistício de Pan-Mun-Jon

especial Infográfico: As origens do impasse na península coreana

lista Entenda a crise entre os dois países 

O governo norte-coreano disse que sua reação será ainda mais forte do que o bombardeio realizado no mês passado contra o Sul, durante o qual foram mortos quatro sul-coreanos. 

O Ministério da Defesa da Coreia do Sul, porém, informou pouco depois das ameaças de Pyongyang que manterá os exercícios militares.

O anúncio sobre o ataque foi divulgado pela agência oficial norte-coreana, a KCNA, num momento em que a Coreia do Sul se prepara para realizar-- pela primeira vez desde que os dois países trocaram tiros, em novembro - exercícios com munição real na ilha de Yeonpyeong, perto de uma área fronteiriça disputada. Os exercícios estão marcados para os dias 18 a 21 de dezembro.

"O ataque vai ser mais sério do que o de 23 de novembro, em termos de força e alcance do ataque", disse a KCNA. O ataque de novembro teve como alvo a ilha de Yeonpyeong e deixou dois civis e dois militares sul-coreanos mortos.

 

O episódio elevou novamente as tensões na Península Coreana. As Coreias se encontram tecnicamente em conflito desde que a Guerra da Coreia (1950-1953) foi encerrada pelo armistício em vez de um tratado de paz. Desde então, o acirramento das tensões entre as duas nações asiáticas é frequente.

 

Outro episódio recentes dos atritos entre os países foi o afundamento do navio sul-coreano Cheonan. Seul acusa Pyongyang de estar por trás do ataque, que matou 46 marinheiros. A Coreia do Norte, que está sob pressão pelas suspeitas de estar ampliando seu programa nuclear, nega.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.