Pyongyang ameaça fazer ataque nuclear 'preventivo'

A Coreia do Norte ameaçou realizar um ataque nuclear "preventivo" nesta quinta-feira, enquanto o Conselho de Segurança da ONU se prepara para votar novas sanções contra o país. "Na medida em que os Estados Unidos buscam inflamar uma guerra nuclear, nossas forças armadas revolucionárias vão praticar o direito de lançar um ataque nuclear preventivo", disse um porta-voz da chancelaria, segundo em informações divulgadas pela Agência de Notícias Central da Coreia.

Agência Estado

07 de março de 2013 | 08h53

O país ameaça se defender, por meio de um ataque nuclear, de qualquer um que possa atacar o país. A Coreia do Norte fez uma nova ameaça de revogar o armistício com a Coreia do Sul, assinado em julho de 1953, que pôs fim à guerra da Coreia.

A data escolhida para o possível fim do armistício é o próximo dia 11, dia que coincide com o início da segunda etapa dos exercícios militares anuais, realizados pelos Estados Unidos e pela Coreia do Sul. Durante os jogos de guerra são feitas simulações computacionais, conhecidas como Key Resolve, seguidas de práticas de campo, envolvendo 10 mil soldados sul-coreanos e 3.500 membros das tropas norte-americanas.

A cada ano, a Coreia do Norte afirma que as práticas são um prelúdio para uma invasão e emite alertas sobre uma nova guerra na península coreana. Contudo, a menção sobre o fim do armistício levanta o alerta sobre a retomada da hostilidades na região. Mas, como é típico da política externa da Coreia do Norte, o fim do armistício pode ser parte de uma estratégia.

Esta última ameaça é pelo menos a sétima vez que a Coreia do Norte diz que vai revogar o armistício desde 1994, quando Pyongyang disse que práticas navais de vários países, realizadas naquele ano, poriam fim ao acordo. O jornal sul-coreano Yonhap News tem uma cronologia dessas ameaças.

Embora as ameaças sejam comuns, elas não podem ser ignoradas. Em 2009, a Coreia do Norte também disse que "não garantiria o status legal" de cinco ilhas sul-coreanas próximas à área fronteiriça de disputa entre as duas Coreias, no Mar Amarelo. Em 2010, o país invadiu uma dessas ilhas, matando quatro pessoas.

A Coreia do Sul faz questão de mostrar uma sequência de críticas em resposta ao bombardeio de 2010. O país já avisou que vai retaliar qualquer novo ataque, mirando "a liderança do comando", sugerindo que o alvo será Pyongyang, a capital da Coreia do Norte.

Oficiais e analistas de Seul, a capital sul-coreana, acreditam que a Coreia do Norte quer testar a nova presidente sul-coreana, Park Geun-hye. Na quarta-feira, a imprensa local relatou que a Coreia do Norte declarou sua costa como região que não deve ser navegada e nem sobrevoada, sugerindo que fará testes de mísseis de curto alcance. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.