Pyongyang anula acordos de não-enfrentamento com Seul

Ameaças chegam após Coreia do Norte advertir que adotaria postura hostil e protegeria fronteira marítima

Efe,

30 de janeiro de 2009 | 00h51

A Coreia do Norte disse nesta sexta-feira, 30, que anulará "todos os acordos de não enfrentamento político e militar" com a Coreia do Sul, e alertou para a possibilidade de um novo confronto naval, informa nesta sexta-feira a agência sul-coreana Yonhap. Pyongyang afirmou que invalidará "todos os acordos de reconciliação, não-agressão, cooperação e troca nos postos da linha fronteiriça militar" no Mar Amarelo. A anulação dos acordos foi divulgada em comunicado norte-coreano elaborado pela Comissão para a Reunificação Pacífica da Coreia, recebido pela agência oficial de notícias local KCNA. Pyongyang culpa o governo conservador de Seul por promover uma política de confronto em relação ao regime comunista, o que está gerando tensão na península. Espera-se que o Ministério da Unificação sul-coreano faça uma avaliação do anúncio feito pela Coreia do Norte, segundo a Yonhap. As ameaças de Pyongyang chegam depois que o Exército norte-coreano advertisse em janeiro passado que adotaria uma postura hostil frente ao Executivo sul-coreano e que protegeria a fronteira marítima do Mar Amarelo. Pyongyang acusa Seul de preparar um enfrentamento naval nessas águas devido a disputas que mantêm desde o armistício que pôs fim à Guerra da Coreia em 1953. Os últimos choques militares com vítimas aconteceram em 1999 e 2002, após o início do processo de reconciliação com a histórica cúpula entre as duas Coreias, em 2000.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.