Pyongyang cancela reuniões de famílias separadas por guerra civil

A Coréia do Norte suspendeu nesta quarta-feira todos osencontros das famílias separadas pela guerra civil (1950-1953), em represália à condenação da Coréia do Sul aos testes de mísseis realizados no dia 5 de julho. A decisão, de forte carga emocional, é um sério revés no processo de aproximação destes dois países e dificulta os esforços para que Pyongyang retorne às negociações sobre seu programa nuclear, estagnadas desde novembro."Não podemos continuar com as reuniões de parentes e famílias separadas, nem com as conversas sobre assuntos humanitários", disse o governo norte-coreano, em comunicado enviado através da Cruz Vermelha norte-coreana.A declaração, divulgada pelo Ministério da Unificaçãosul-coreano, explica que se trata de uma medida de protesto por Seul não enviar uma ajuda de milhares de toneladas de adubos e arroz à Coréia do Norte.O Governo sul-coreano interrompeu esse envio depois que o país comunista lançou uma série de mísseis de teste sobre o Mar do Japão, causando uma onda de reprovação na comunidade internacional.Nesta quarta-feira também foram suspensas as reuniões de famílias por videoconferência previstas para 15 de agosto e permanece suspenso o plano de construção de um centro dedicado a estes encontros, no monte Geumgang, cuja inauguração estava prevista para julho de 2007.O Governo sul-coreano mostrou seu mal-estar por esta decisãonorte-coreana e pediu desculpas às famílias afetadas. Um porta-voz do Ministério da Unificação afirmou que o Executivo fará o possível para restabelecer estes contatos, ao mesmo tempo em que pediu a Pyongyang que colabore para sair desta crise e reiniciar novamente o envio de ajuda humanitária.Todas as forças políticas sul-coreanas criticaram Pyongyang,considerando que esta medida de represália atenta contra a esperança do povo coreano e não deveria estar ligada a decisões de caráter político.Reação esperada Segundo analistas locais, a reação norte-coreana já era esperada. Na semana passada, a última reunião interministerial - realizada na cidade sul-coreana de Pusan - terminou sem acordos e um dia antes do previsto, em meio a um clima de tensão pela crise dos mísseis.Pyongyang pediu na reunião o envio de meio milhão de toneladas de arroz, além de outras ajudas para sua indústria leve. Seu pedido, no entanto, foi rejeitado até que a crise provocada pelos testes seja resolvida. A Coréia do Norte considerou esta postura como uma afronta, como um abandono do espírito de reconciliação, e responsabilizou o Sul pela ruptura das negociações intercoreanas.Para alguns analistas, como o professor do Instituto de Sejong, Paek Hak-soon, a Coréia do Sul está encurralada entre os Estados Unidos e a Coréia do Norte, e suspendeu as ajudas de arroz em conformidade com a política americana.Famílias separadas As reuniões de famílias são o resultado da histórica cúpulaintercoreana de Pyongyang de 2000, entre o então presidentesul-coreano, Kim Dae-jung, e o líder norte-coreano, Kim Jong-il, que abriu o processo de reconciliação entre as duas Coréias após meio século de confrontos.Desde então, cerca de 16 mil famílias do Sul se reuniram com seus parentes do Norte em 14 ocasiões - quatro vezes através de videoconferências.Apenas na Coréia do Sul mais de 90 mil famílias continuam separadas. Nos últimos dois anos, centenas de pessoas afetadas por esta tragédia morreram, devido a sua idade avançada. A Cruz Vermelha sul-coreana manifestou nesta quarta-feira sua preocupação com o efeito que esta suspensão das reuniões possa ter nos mais idosos.Corrida armamentista O presidente sul-coreano, Roh Moo-hyun, descreveu o lançamento de mísseis realizado pela Coréia do Norte no início de julho como um "comportamento errado" por colocarem risco as relações intercoreanas."O lançamento de mísseis não só ameaça a paz e a estabilidade e aumenta a tensão na península, como também pode desencadear uma corrida armamentista", afirmou o governante, segundo seu conselheiro-chefe em matéria de Política Externa e Segurança Nacional, Song Min-soon.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.