Pyongyang chama Hillary de ''infantil'' e ''ignorante''

Após ser comparado a ?criança mimada? pela secretária de Estado americana, regime norte-coreano parte para ataques pessoais

Reuters, SEUL, O Estadao de S.Paulo

24 de julho de 2009 | 00h00

O governo da Coreia do Norte, irritado pelo fato de a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, ter afirmado que o país se comporta como uma "criança indisciplinada", respondeu ontem com ofensas pessoais, ridicularizando-a ao dizer que ela é "uma dama engraçada" e "nada inteligente". Hillary está em Phuket, na Tailândia, para o Fórum da Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean), um importante encontro sobre segurança regional. Durante o evento, ela insistiu para que os governos locais mantenham a pressão sobre o regime comunista norte-coreano e adotem sanções contra o isolado país, com o objetivo de fazer o governo do ditador Kim Jong-il desistir de seu programa de armas nucleares. "Ela fez uma série de observações vulgares que não condizem com sua posição em todos os lugares para onde ela foi desde que assumiu o cargo", afirmou a agência estatal de notícias da Coreia do Norte, a KCNA, citando um porta-voz da chancelaria. Segundo a agência, o comentário de Hillary do início da semana, de que o comportamento de Pyongyang, com a recente série de lançamentos de mísseis apesar da proibição da ONU, pode ser comparado ao de uma criança rebelde que quer chamar a atenção, "sugere que ela não é nem um pouco inteligente". "Só podemos considerar a sra. (Hillary) Clinton como uma dama engraçada quando gosta de usar este tipo de retórica, desconhecendo a etiqueta elementar da comunidade internacional", diz o texto. "Às vezes, ela parece uma aluna do ensino básico e, às vezes, uma aposentada que está indo às compras", acrescentou o artigo. "Na nossa opinião, ela só poderá prestar alguma contribuição, embora mínima, para a implementação da política externa dos Estados Unidos, em sua qualidade de secretária de Estado, quando tiver alguma compreensão do mundo."Hillary não respondeu diretamente às agressões verbais vindas de Pyongyang, mas, durante uma coletiva no Asean, afirmou que o país está mais isolado do que nunca. "A Coreia do Norte não tem para aonde ir, não lhe sobraram amigos que a defenda dos esforços internacionais para sua desnuclearização." "Se a Coreia do Norte pretende se engajar no comércio internacional, seus navios têm de navegar em conformidade com os termos de 1984 (resolução da ONU para evitar venda de material nuclear), ou não encontrarão portos", disse Hillary. ARMAS NUCLEARESO empobrecido país asiático insiste que seu objetivo é desenvolver uma arma atômica para defender-se dos Estados Unidos, que considera uma potência hostil. Entretanto, segundo muitos analistas, a liderança autocrática norte-coreana, governada há 15 anos por Kim Jong-il, parece ter criado um arsenal nuclear com a finalidade de extrair concessões importantes da comunidade internacional sem colocar em risco sua delicada situação interna. Informações não confirmadas indicam que Kim está gravemente enfermo.Em abril, a Coreia do Norte confirmou ter realizado seu segundo teste nuclear, o que provocou ainda mais sanções internacionais e levou o país a uma queda de braço com a comunidade internacional. Pyongyang enviou o diplomata Pak Kun-gwang, um representante de escalão inferior, para o Asean. Pak afirmou aos anfitriões tailandeses que a Coreia do Norte não quer se tornar alvo de críticas na reunião sobre segurança.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.