Pyongyang colocou míssil em base de lançamento, diz agência

Imprensa do Japão diz que Coreia do Norte posicionou projétil de longo alcance Taepodong-2 em plataforma

Agências internacionais,

25 de março de 2009 | 14h27

A Coreia do Norte posicionou o que parece ser o míssil balístico de longo alcance Taepodong-2 em uma plataforma de lançamento em Musudanri, segundo afirmou nesta quarta-feira, 25, a agência de notícias japonesa Kyodo. Segundo a agência AFP, um funcionário americano confirmou que os norte-coreanos posicionaram um míssil de longo alcance na base de lançamento.

 

Veja também:

lista Conheça o arsenal de mísseis norte-coreano

 

Há duas semanas, o governo norte-coreano anunciou seus planos de lançar um satélite de comunicações entre os dias 4 e 8 abril em meio a suspeitas de Seul de que o lançamento possa ocultar os testes de um míssil de longo alcance, violando uma resolução Conselho de Segurança da ONU que proíbe Pyongyang de realizar qualquer atividade balística. Mais cedo, a agência de notícias sul-coreana afirmou que Pyongyang poderia lançar o míssil da base de Musudanri (nordeste do país) entre os dias 28 e 31 de março.

 

O premiê japonês, Taro Aso, afirmou nesta quarta que o Conselho de segurança do país se reunirá nesta semana para preparar-se para o interceptar o suposto míssil norte-coreano caso ele constitua uma ameaça para o território do Japão. Segundo Pyongyang, o foguete será lançado entre os dias 4 e 8 de abril e colocará em órbita um satélite experimental de comunicações antes de se dividir e cair - parte no Mar do Leste (Mar do Japão) e parte no Oceano Pacífico. No entanto, Washington, o Japão e a Coreia do Sul suspeitam de que seja parte de um teste para o lançamento de mísseis de longo alcance Taepodong-2, que teriam capacidade de atingir o Alasca.

 

O Japão tem um sistema antimísseis balísticos montado com ajuda americana. Se o foguete de fato for destinado ao lançamento de um satélite, porém, ele pode viajar a uma altura não alcançada pelos interceptadores japoneses.

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do NorteCoreia do SulEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.