AP Photo/Richard Drew
AP Photo/Richard Drew

Pyongyang compara ameaças de Trump na ONU a ‘latidos de cachorro’

Ministro norte-coreano das Relações Exteriores afirmou que ‘há o ditado de que a caravana passa e os cães ladram’; na terça-feira, americano declarou que ‘se os EUA forem forçados a se defender ou a seus aliados, não haverá outro remédio que não destruir totalmente a Coreia do Norte’

O Estado de S.Paulo

21 Setembro 2017 | 08h21

SEUL - O ministro das Relações Exteriores da Coreia do Norte, Ri Yong-ho, declarou nesta quinta-feira, 21, em Nova York, que as declarações do presidente americano, Donald Trump, de que vai "destruir totalmente" seu país são ameaças de quem apenas "late".

"Há o ditado de que a caravana passa e os cães ladram", declarou ele na entrada de seu hotel. "Se querem nos ameaçar com um latido, estão tendo claramente um sonho de cachorro.” A expressão "sonho de cachorro" é usada pelos norte-coreanos para se referir a coisas absurdas ou que não têm muito sentido.

Trump usou todo o seu arsenal retórico na terça-feira, na Assembleia-Geral das Nações Unidas, ao declarar que "se os EUA forem forçados a se defender ou a seus aliados, não haverá outro remédio que não destruir totalmente a Coreia do Norte". 

+ Vídeo: Ameaças e advertências na estreia de Trump na ONU

Ainda na ONU, Trump se referiu ao líder norte-coreano, Kim Jong-un, como "homem-foguete em uma missão suicida para ele e seu regime". Ao ser questionado sobre a expressão usada pelo americano para qualificar Kim, o ministro norte-coreano apenas disse que sentia "lástima pelos ajudantes" do republicano.

O discurso de Trump ocorreu após meses de tensão entre os dois países em razão do programa nuclear e balístico de Pyongyang, que tem desafiado as sanções da ONU com testes atômicos e o disparo de mísseis que sobrevoam o Japão. / AFP e EFE

Ver em tamanho grande →

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.