Pyongyang convida EUA para negociação nuclear, diz imprensa

Regime estaria buscando aproximação com Washington para melhorar suas finanças, afetadas por sanções

Reuters e Efe,

25 de agosto de 2009 | 08h14

A Coreia do Norte convidou um representante do governo norte-americano para negociações nucleares em setembro, disse a imprensa sul-coreana na terça-feira, 25. Dessa forma, o regime busca uma aproximação com Washington, que pressiona por novas sanções a Pyongyang.

 

Veja também:

especialEspecial: As origens do impasse norte-coreano

especialEspecial: As armas e ambições das potências nucleares

especialLinha do tempo da ameaça nuclear norte-coreana

lista Conheça o arsenal de mísseis norte-coreano

A reclusa Coreia do Norte tomou neste mês uma série de raras medidas conciliatórias, além de ter aceitado na quarta-feira discutir com a Coreia do Sul a retomada das reuniões entre famílias separadas pela Guerra da Coreia (1950-53). Pyongyang suspendeu essas reuniões há quase dois anos, em retaliação ao governo conservador do Sul, que restringiu a ajuda ao Norte, vinculando-a ao fim do programa de armas nucleares do país comunista.

Analistas dizem que a Coreia do Norte pode estar atenuando seu tom com Washington e Seul numa tentativa de melhorar a situação das suas finanças, afetada por sanções da ONU neste ano e pela ameaça de uma nova safra ruim.

Stephen Bosworth, enviado especial da Casa Branca para a questão norte-coreana, comandaria uma delegação que passaria inicialmente por Coreia do Sul, China e Japão, discutindo as negociações multilaterais sobre o desarmamento do Norte, e em seguida iria a Pyongyang, disse o jornal JoongAng Ilbo, citando uma alta fonte diplomática em Washington. Seria a primeira discussão oficial a respeito da questão nuclear entre a Coreia do Norte e o governo Obama.

A agência sul-coreana Yonhap disse, citando uma fonte diplomática em Washington, que o Norte realizou o convite quando o ex-presidente norte-americano Bill Clinton visitou Pyongyang, neste mês, para obter a libertação de duas jornalistas dos EUA que estavam presas no país.

Os EUA afirmam estar dispostos a conversar diretamente com a Coreia do Norte, mas apenas como parte das negociações multilaterais, que envolvem EUA, China, Japão, Rússia e as duas Coreias. Japão e Coreia do Sul, os dois maiores aliados militares dos EUA na região, têm dito que aceitariam as negociações diretas entre Washington e Pyongyang, desde que o governo Obama adote um sistema de coordenação e consultas com Tóquio e Seul. As negociações multilaterais, que ocorriam na China, foram abandonadas no final do ano passado por Pyongyang, que afirmou na época que esse formato estava obsoleto.

 

Linhas telefônicas

 

A Coreia do Norte restabeleceu nesta terça uma linha telefônica direta com o Sul, após tê-la interrompido durante nove meses em protesto contra a política linha-dura de Seul, informou a agência de notícias local Yonhap.

 

Em coletiva de imprensa, o porta-voz do Ministério da Unificação sul-coreano, Chun Hae-sung, disse que a Coreia do Norte avisou esta manhã que o canal de comunicação entre os escritórios da Cruz Vermelha das duas Coreias na zona desmilitarizada de Panmunjom tinha sido restabelecido e que passava a operar com normalidade. Chun explicou que a Coreia do Sul considera o passo como a normalização da comunicação direta entre as duas Coreias.

 

Em novembro do ano passado, a Coreia do Norte bloqueou o canal de comunicação direta depois que o presidente sul-coreano, Lee Myung-bak, se uniu à crítica internacional sobre a situação dos direitos humanos no país comunista.

 

A Coreia do Norte anunciou na quinta passada que começaria a normalizar a passagem fronteiriça de trabalhadores e trens de mercadorias procedentes do Sul, de acordo com seu compromisso, adotado dias antes, de retomar os projetos econômicos conjuntos.

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do Norteprograma nuclearEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.