Pyongyang declara Kim Jong Un como 'líder supremo'

As lideranças da Coreia do norte declararam Kim Jong Un o líder supremo do país durante uma grande cerimônia memorial pública em homenagem a seu pai, Kim Jong Il, consolidando a manutenção da família Kim no poder por mais uma geração.

AE, Agência Estado

29 de dezembro de 2011 | 09h46

O filho, que recebeu o título de Grande Sucessor da Coreia do Norte, ficou em pé, com a cabeça baixa em sinal de tristeza, na sacada do Grande Palácio de Estudo do Povo, que dá vista para a praça Kim Il Sung. Usando um sobretudo escuro, Kim Jong Un assistiu à cerimônia que teve como objetivo mostrar apoio ao seu papel como líder.

O inequívoco apoio público a Kim Jong Un durante o memorial em homenagem a seu pai é um forte sinal de que o governo e oficiais militares se uniram a seu redor após a morte de Kim Jong Il, em 17 de dezembro.

Ao observar a grande quantidade de pessoas reunidas na principal praça de Pyongyang, Kim Jong Un tinha ao seu lado os principais integrantes da cúpula do partido e também os mais importantes oficiais militares, dentre eles a irmã mais nova de Kim Jong Il, Kim Kyong Hui, e seu marido, Jang Song Thaek, que devem atuar como mentores do jovem sobrinho.

"O plano do pai está sendo concretizado", disse Ralph Cossa, presidente do Fórum Pacífico CSIS, um centro de estudos sediado no Havaí, sobre a transferência de poder. "Todos têm interesse no sistema e na demonstração de estabilidade. A última coisa que querem é criar agitação."

Tendo em vista a inexperiência e a idade de Kim Jong Un - que ainda não completou 30 anos - questiona-se, fora da Coreia do Norte, se ele tem condições de liderar um país engajado em negociações nucleares paralisadas e que há décadas luta contra problemas econômicos e falta de alimentos.

Mas o apoio das lideranças norte-coreanas ficou claro durante o memorial, do qual participaram centenas de milhares de pessoas, que encheram a praça Kim Il Sung e outras localidades do centro de Pyongyang. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.