AFP PHOTO/KCNA VIA KNS
AFP PHOTO/KCNA VIA KNS

Pyongyang destaca importância da cooperação com Pequim após visita de Kim

O líder norte-coreano visitou a China por dois dias

O Estado de S.Paulo

21 de junho de 2018 | 03h39

SEUL - A Coreia do Norte destacou nesta quinta-feira, 21, a importância de fortalecer a cooperação com a China ao final da última visita de seu líder, Kim Jong-un, ao país vizinho, onde ficou impressionado pelas suas conquistas agrícolas e no transporte.

Kim voltou a se reunir na última quarta-feira, 20, com o presidente da China, Xi Jinping, com quem teve "uma troca séria de opiniões sobre a situação atual e questões internacionais urgentes", e discutiram formas de "fortalecer ainda mais a cooperação estratégica e tática", informou nesta quinta a agência estatal norte-coreana de notícias "KCNA".

A reunião aconteceu durante o segundo e último dia de uma visita de dois dias do líder norte-coreano ao país vizinho, e após a terceira cúpula realizada por Kim e Xi em apenas 100 dias.

Antes da reunião, Kim visitou um parque de inovação tecnológica em agricultura pertencente à Academia de Ciências Agrícolas da China e o centro de controle de tráfego ferroviário de Pequim, e ficou "profundamente admirado" com suas conquistas.

+ China pede que Coreia do Norte não desista de cúpula histórica com EUA

+ Coreia do Norte e China fortalecem laços com reunião em Pequim

Kim, que esteva acompanhado por sua esposa, Ri sol-ju, elogiou "as grandes conquistas em projetos de pesquisa científica e tecnológica para contribuir para o desenvolvimento agrícola do país".

O líder norte-coreano também "admirou a automatização de alto nível e o sistema de controle maravilhosamente construído" do centro de supervisão ferroviária, segundo destacou a "KCNA".

A visita de Kim é interpretada como um sinal do crescente interesse de Pyongyang em reformar seu setor agrícola e potencializar a construção de infraestruturas para conseguir o desenvolvimento econômico do país, um dos pilares da sua política. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.