Efe
Efe

Pyongyang disposta a devolver restos de soldados norte-americanos

Representantes coreano não detalhou quantos corpos seriam; Guerra da Coreia matou centenas de militares norte-americanos

Efe

20 de dezembro de 2010 | 02h28

Pyongyang mostrou disposição para devolver os restos de centenas de solados norte-americanos mortos durante a Guerra da Coreia (1950-53), segundo disse o governador do Novo México (EUA), Bill Richardson, durante visita à Coreia do Norte.

 

Veja também:

link ONU se mostra incapaz de chegar a um acordo sobre Coreias

linkCoreia do Sul ordena saída dos moradores em Yeonpyeong

 

Em declarações exibidas nesta segunda-feira, 20, pela cadeia de TV CNN, Richardson declarou que o general norte-coreano Pak Yim-su disse a ele no domingo, 19, que os corpos foram descobertos recentemente no país asiático, sem dar o número preciso nem o lugar da exumação. "É um gesto muito positivo", manifestou Richardson.

 

O ex-embaixador dos EUA na ONU chegou na última quinta-feira, 16, a Pyongyang convidado pelo principal negociador nuclear norte-coreano, Kim Kye-gwan, com o fim de diminuir a tensão entre as duas Coreias, e a previsão é que retorne nesta segunda-feira, 20, aos Estados Unidos.

 

Richardson afirmou também que, em suas conversas com o general norte-coreano Pak Yim-su, propôs que se instale "um telefone vermelho" entre Pyongyang e Seul e seja criada uma comissão militar de comum acordo entre as duas Coreias e os EUA para abrandar a tensão na península.

 

A Coreia do Norte enviou entre 1990 e 1994 mais de 200 caixas com restos de soldados e objetos pessoais, e em 2007 o regime comunista entregou outros restos, que devem pertencer a quatro soldados americanos mortos na Guerra da Coreia.

 

Até a data, os peritos norte-americanos somente puderam identificar sete dos corpos, segundo a CNN.

 

Na guerra da Coreia morreram 54 mil soldados norte-americanos e cerca de 8 mil ainda permanecem desaparecidos, segundo fontes da Defesa norte-americana.

Tudo o que sabemos sobre:
PyongyangGuerra da Coreia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.