Pyongyang já pode ser capaz de criar ogiva atômica

Norte-coreanos teriam dominado tecnologia para armar seus mísseis

Blaine Harden, O Estadao de S.Paulo

28 de março de 2009 | 00h00

A Coreia do Norte posicionou um foguete em uma plataforma de lançamento nesta semana e pretende lançá-lo entre os dias 4 e 8, desafiando advertências internacionais. Segundo Pyongyang, o foguete colocará um satélite em órbita. Mas teme-se que, na verdade, o país testará um míssil de longo alcance, capaz de atingir o Alasca.Apesar de a Coreia do Norte fabricar mísseis para intimidar seus vizinhos há quase meio século, o que torna esse lançamento particularmente inquietante é a possibilidade crescente, segundo a inteligência americana, de ela ter construído ou estar tentando construir ogivas nucleares suficientemente pequenas para caber em seus mísseis.David Albright, um físico e especialista em armas nucleares que dirige o Institute for Science and International Security em Washington, escreveu que a Coreia do Norte "provavelmente é capaz de construir uma ogiva nuclear primitiva" para seus mísseis de médio alcance que têm como alvo o Japão. Especialistas concordam em que a Coreia do Norte provavelmente está muito longe da capacidade de instalar ogivas nucleares em mísseis de longo alcance capazes de atingir os EUA. O ditador fundador do país, Kim Il-sung, promoveu a criação de foguetes capazes de atingir o Japão e "impedir" que os EUA interferissem na Península Coreana. Seu filho e sucessor, Kim Jong-il, continuou incentivando os engenheiros, que construíram mais de 200 mísseis capazes de atingir a maior parte do Japão.O compromisso da dinastia Kim com mísseis continua a abalar nervos, e o Japão e a Coreia do Sul vêm protestando no momento em que a Coreia do Norte chega mais perto de fazer o lançamento. Se a comunidade internacional aplicar sanções à Coreia do Norte pelo lançamento, Pyongyang disse que anulará um acordo para abandonar as armas nucleares em troca de ajuda. Ela também ameaçou ir à guerra, se o que chama de lançamento pacífico de pesquisa for derrubado. A Coreia do Norte explodiu um pequeno artefato nuclear em 2006 e depois declarou que usou todo seu estoque de plutônio - 25,8 kg segundo Pyongyang -, o suficiente, segundo especialistas, para construir quatro ou cinco bombas. Outro grande passo técnico é a miniaturização da ogivas. Cientistas discordam dos avanços de Pyongyang nesse sentido. Mas o Ministério da Defesa do Japão concluiu que a Coreia do Norte pode estar chegando perto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.