Wong Maye-E/AP Photo
Wong Maye-E/AP Photo

Pyongyang não "manterá seus braços cruzados", diz vice-ministro das Relações Exteriores

Han Song Ryol diz que conduzirá o próximo teste nuclear sempre que a sede suprema o considerar apropriado

O Estado de S.Paulo

14 Abril 2017 | 01h21

PYONGYANG - O vice-ministro das Relações Exteriores da Coreia do Norte, Han Song Ryol, disse nesta sexta-feira, 14, que a situação em Pyongyang está agora em um "ciclo vicioso" e que a península não "manterá seus braços cruzados" diante do ataque preventivo dos Estados Unidos.

Em entrevista exclusiva à agência Associated Press, Ryol também culpou o presidente Donald Trump por criar tensões, dizendo que seus tweets “agressivos” estavam “criando problema”.

Trump acrescentou à crescente guerra de palavras um tweet, na terça-feira, dizendo que a Coreia do Norte está "procurando por problemas". Ele acrescentou que, se a China não fizer sua parte para controlar as ambições nucleares de Pyongyang, os EUA podem lidar com isso.

As tensões estão se aprofundando, uma vez que os EUA enviaram um porta-aviões para o largo da península coreana e estão conduzindo seus maiores exercícios militares conjuntos com a Coreia do Sul.

Pyongyang, entretanto, lançou recentemente um míssil balístico, e alguns especialistas dizem que outro teste nuclear pode ser realizado virtualmente a qualquer momento. Han Song Ryol disse que conduzirá o próximo teste nuclear sempre que a sede suprema o considerar apropriado.

Arsenal. Muitos observadores da Coreia do Norte acreditam que o país poderia ter uma ogiva nuclear viável e um míssil balístico capaz de atingir o continente dos EUA nos próximos anos, ainda enquanto Trump é presidente.

Externamente, há poucos sinais de preocupação na Coreia do Norte, apesar da política de ida e volta. Em vez disso, o país está se preparando para a sua maior festa do ano, o 105º aniversário do nascimento de Kim Il Sung, fundador do país e avô do líder Kim Jong Un.

O aniversário, que será sábado, pode fornecer ao mundo um olhar para parte desse arsenal. As expectativas são altas, pois a Coreia pode colocar seus mais novos mísseis em exibição durante um desfile militar que pode ser realizado para marcar o evento.

Ao mesmo tempo, a especulação de que Pyongyang pode estar perto de realizar mais testes nucleares ou de mísseis está crescendo, mesmo com uma série de sanções internacionais punindo-a sobre o seu programa de armas nucleares. /Associated Press

Mais conteúdo sobre:
Coreia do NorteEstados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.