Pyongyang pede negociações nucleares 'sem precondições'

O estrategista nuclear sênior da Coreia do Norte, Kim Kye Gwan, pediu nesta quarta-feira uma nova rodada de negociações nucleares envolvendo as duas Coreias, China, Japão, Estados Unidos e Rússia, mas sem precondições. A proposta que não deve receber apoio em Washington.

Agência Estado

18 Setembro 2013 | 10h29

Kim, que é vice-ministro de Relações Exteriores, fez a declaração durante um fórum que marca o 10º aniversário das negociações envolvendo as seis partes, paralisadas desde a última rodada de conversações em 2008, quando houve problemas para verificar se Pyongyang estava cumprindo suas promessas.

"Estamos prontos para entrar nas conversações de seis partes sem precondições", disse Kim, segundo a agência de notícias sul-coreana Yonhap.

Autoridades norte-americanas rejeitam a realização de novas discussões antes de a Coreia do Norte se comprometer claramente em cumprir suas promessas anteriores de desarmamento, afirmando que realizar novas discussões que não vão a lugar nenhum apenas prejudicaria a estrutura das negociações.

Coreia do Sul e Japão também suspeitam do pedido, já Rússia e China têm sido mais favoráveis ao retorno do diálogo.

Em seu discurso no fórum, o ministro de Relações Exteriores chinês Wang Yi disse que as partes envolvidas deveriam se reunir e tomar as medidas necessárias para a retomada das negociações.

"A situação na península era relativamente estável quando cada lado participava ativamente das negociações. A situação se tornou tensa e até mesmo sem direção quando as conversações foram paralisadas", disse Wang.

Desde o colapso das conversações, Pyongyang elevou as tensões com um terceiro teste nuclear e o lançamento de míssil, o que levou à intensificação as sanções impostas pela Organização das Nações Unidas (ONU) contra o regime comunista.

Nos últimos meses, a Coreia do Norte tem adotado um tom mais moderado, na medida em que buscar retomar os contatos com Seul e restaurar os laços com a China, sua mais importante aliada.

O fórum do 10º aniversário foi promovido como uma forma de destacar as conquistas das negociações, mas não havia sinais de que aproximaria os envolvidos.

A embaixada dos Estados Unidos em Pequim informou que enviaria um diplomata para o fórum, mas apenas como observador e que não havia planos para encontros com representantes norte-coreanos. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Coreia do Nortenuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.