Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Pyongyang promete ação militar se Japão interceptar foguete

Coreia do Norte lança nesta semana suposto satélite de comunicação que poderia ser míssil intercontinental

Agências internacionais,

31 de março de 2009 | 07h50

A Coreia do Norte ameaçou nesta terça-feira, 31, responder com "os meios militares mais potentes" se o Japão chegar a interceptar o satélite que pretende lançar no início de abril, informou a agência de notícias oficial norte-coreana KCNA.

 

Veja também:

lista Conheça o arsenal de mísseis norte-coreano

lista Cenário: Até onde vai a tensão com a Coreia do Norte?

 

O regime comunista norte-coreano advertiu que consideraria uma "nova invasão" a eventual interceptação de seu satélite por parte do Japão, ainda segundo a agência, por sua vez citada pela agência de notícias sul-coreana Yonhap. "Nosso Exército arrastará sem piedade todos os meios interceptores com as armas militares mais potentes".

 

A Coreia do Norte diz que vai lançar o foguete entre os dias 4 e 8 de abril, e que seus estágios de propulsão cairão a leste e oeste do Japão. O foguete já está em sua plataforma de lançamento, na base de Musudan-ri (leste). Os EUA e seus aliados asiáticos acreditam que o foguete disfarce o teste com um míssil de longo alcance Taepodong-2, supostamente capaz de atingir o Alasca. A Coreia do Norte diz que seu objetivo é colocar um satélite de comunicações em órbita, como parte de um programa espacial pacífico e legal. Sanções da ONU por causa de testes anteriores proíbem Pyongyang de testar mísseis balísticos.

 

Dois destróieres norte-americanos capazes de monitorar e interceptar foguetes partiram da Coreia do Sul nesta segunda-feira, dias antes do esperado lançamento de um foguete pela Coreia do Norte. O USS McCain e o USS Chafee partiram do porto de Busan, segundo um porta-voz militar norte-americano. Não foi informado o destino das embarcações. Reportagens sul-coreanas, citando funcionários não identificados, afirmam que os navios dos EUA iriam monitorar o lançamento da Coreia do Norte.

 

No Japão, foram posicionados mísseis Patriot ao redor de Tóquio. Além disso, navios de combate foram enviados ao Mar do Japão, segundo funcionários locais. O primeiro-ministro japonês, Taro Aso, encontrou-se no domingo com seu colega britânico, Gordon Brown. Ambos concordaram em enviar o caso ao Conselho de Segurança, caso Pyongyang realize o teste.

 

Um analista do site Global Security, Tim Brown, disse que não está claro se o teste será de um míssil balístico intercontinental Taepodong-2 ou de um foguete que levará um satélite.

Tudo o que sabemos sobre:
JapãoCoreia do NorteCoreia do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.