Vincent Yu/AP
Vincent Yu/AP

Pyongyang rejeita condenação da ONU e rompe acordo com Estados Unidos

Documento, que defende as intenções pacíficas do lançamento do foguete, denuncia abuso de poder do membro do Conselho de Segurança

18 de abril de 2012 | 09h34

SEUL - A Coreia do Norte rejeitou a condenação do Conselho de Segurança da ONU a seu recente lançamento de um foguete e também anunciou oficialmente a ruptura do acordo de ajuda alimentícia, assinado em fevereiro com os Estados Unidos, nesta quarta-feira, 18.

Veja também:

linkEUA cancelam acordo de ajuda alimentícia à Coreia do Norte

linkCS da ONU vai impor novas sanções à Coreia do Norte

"Rejeitamos taxativamente o proceder injusto do Conselho de Segurança da ONU, que tenta pisotear o legítimo direito da República Popular Democrática da Coreia a lançar satélites", reza o comunicado da Chancelaria norte-coreana divulgado pela agência estatal "KCNA".

O documento, que defende as intenções pacíficas do lançamento do foguete (pôr em órbita um satélite de observação terrestre, segundo o regime comunista), denuncia o abuso de poder dos EUA como membro permanente do Conselho de Segurança.

 

A Coreia do Norte acusa o Conselho de violar "o direito do Estado soberano ao lançamento de satélites com fins pacíficos" mediante a declaração de condenação emitida na segunda-feira pelo organismo internacional, que ainda reforçará as sanções que atualmente impõe ao país comunista.

Além disso, o regime de Kim Jong-un decreta cancelado o acordo - que já fora declarado nulo na semana passada - assinado em fevereiro com os EUA, pelo qual se comprometia a uma moratória em seu programa nuclear e de mísseis para receber de Washington 240 mil toneladas de ajuda alimentícia.

Em todo caso, os EUA já haviam rompido o acordo quando Pyongyang produziu seu fracassado lançamento, na última sexta-feira.

Pyongyang insiste que o regime manterá seu programa espacial, o qual constitui "um direito independente que está acima da resolução do Conselho de Segurança da ONU", diz o texto.

Segundo insiste o regime no documento, os EUA boicotam suas iniciativas espaciais em favor dos "interesses dos países que tentam monopolizar tecnologias sofisticadas como a de lançamento de satélites"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.