Pyongyang rejeita volta ao diálogo sobre programa nuclear

A Coréia do Norte afirmou que não voltará ao diálogo multilateral sobre seu programa de armas nucleares até que os Estados Unidos abandonem sua "política de hostilidade" em direção ao regime comunista. A cúpula norte-coreana advertiu, em mensagem publicada no jornal Rodong Sinmun, porta-voz do Partido dos Trabalhadores da Coréia do Norte, e divulgado pela Agência Central de Notícias desse país (KCNA), que continuará boicotando as negociações multilaterais, com a Coréia do Sul, EUA, Rússia, Japão e China. O regime de Pyongyang acusou os EUA de levantarem uma "barricada" perante o reatamento das negociações para desmantelar o programa de armas atômicas que a Coréia do Norte retomou no final de 2002. "A responsabilidade recai nos EUA", diz a mensagem divulgada pela KCNA e citada pela agência de notícias sul-coreana Yonhap. As negociações multilaterais estão bloqueadas desde novembro, quando ocorreu a última rodada. Já em setembro, na quarta rodada de diálogo, ficou evidente a profunda brecha existente entre Coréia do Norte e Estados Unidos, embora Pyongyang tenha se comprometido então a renunciar a seu incipiente arsenal de armas atômicas. "Não será possível o reatamento das conversas de seis lados, nem a solução da disputa nuclear, a menos que os EUA abandonem seus dois pesos e duas medidas para essas negociações e sua política de hostilidade para a Coréia do Norte", disse Pyongyang. Pyongyang reiterou também que só se darão as condições para retomar as conversas quando os EUA retirarem as sanções que pesam contra várias instituições norte-coreanas por sua suposta falsificação de dólares e lavagem de dinheiro para adquirir componentes de armas de extermínio.

Agencia Estado,

13 Março 2006 | 06h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.