Efe
Efe

Pyongyang revela que EUA propuseram alimentos em troca de desnuclearização

Trata-se da primeira alusão norte-coreana às negociações realizadas no ano passado com os EUA

Efe,

11 de janeiro de 2012 | 10h43

SEUL - A Coreia do Norte revelou nesta quarta-feira, 11, que os Estados Unidos fizeram uma oferta meses atrás de retirar as sanções e retomar a ajuda com alimentos em troca da suspensão do programa de enriquecimento de urânio norte-coreano.

Segundo um escritório da "Agência Central de Notícias da Coreia do Norte" (KCNA), citado pela agência sul-coreana "Yonhap", Washington fez a proposta em julho de 2011, quando ambas as partes mantiveram conversas de alto nível.

Trata-se da primeira alusão norte-coreana às negociações realizadas no ano passado com os EUA desde a morte do líder Kim Jong-il, em 17 de dezembro.

Embora a "KCNA" tenha criticado os americanos por "politizarem" a ajuda que oferecem, afirmou que a Coreia do Norte esperará para ver "se os Estados Unidos têm intenção de gerar confiança" com o país comunista, em uma aparente mostra de vontade de diálogo.

Em seu comunicado desta quarta, Pyongyang também criticou o fato de que recentemente "as forças hostis", em aparente referência a Coreia do Sul e os EUA, tenham divulgado rumores "infundados" que apontam que a Coreia do Norte solicitou ajuda alimentícia após a morte de Kim Jong-il.

Os EUA mantêm sanções econômicas contra a Coreia do Norte, principalmente por suas atividades relacionadas com programas de armas nucleares e proliferação de armamento, que se somam às impostas ao país pela ONU.

Washington e Pyongyang se reuniram em duas ocasiões em 2011 com o objetivo de negociar o reatamento das conversas de seis lados, processo orientado a deter as aspirações atômicas da Coreia do Norte, que receberia concessões em troca de sua desnuclearização.

O processo, que envolve as Coreias, EUA, China, Rússia e Japão, está estagnado desde 2008, e no ano passado as partes realizaram diversos esforços para retornar à mesa de negociações, embora não tenham sido obtidos resultados tangíveis.

Enquanto a Coreia do Norte reivindica o retorno aos diálogos incondicionais prévios, EUA e Coreia do Sul exigem que antes desista de seu programa de enriquecimento de urânio e permita a entrada dos inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) no país.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do NortePyongyangnuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.