Pyongyang tenta reorganizar poder com expurgo militar

Há poucos dados disponíveis sobre o homem apontado por Kim para substituir chefe das Forças Armadas

CHOE SANG-HUN , THE NEW YORK TIMES / SEUL, O Estado de S.Paulo

18 de julho de 2012 | 03h05

A promoção de um general pouco conhecido à patente de vice-marechal foi uma decisão vista como uma tentativa do novo líder norte-coreano, Kim Jong-un, de domar os militares, reorganizar a elite do poder do regime e consolidar sua autoridade.

A ascensão de Hyon Yong-chol foi anunciada no principal órgão do partido e ocorreu após a destituição do vice-marechal Ri Yong-ho, então comandante-chefe do Estado-Maior norte-coreano e um dos membros da cúpula do Partido dos Trabalhadores, que governa o país. A causa oficial de sua saída foi um problema de saúde.

Funcionários sul-coreanos não dispõem de dados elementares sobre Hyon, como sua cidade natal ou idade. Mas, na Coreia do Norte, essa falta de informações é menos importante do que em qualquer outro país. No país, o poder de um funcionário é determinado não tanto por sua patente, título ou formação, mas pela frequência com a qual é visto ao lado do líder máximo.

Os analistas especulam que a destituição de Ri e a nomeação de seu sucessor podem representar o início de um expurgo político, exigido por Kim para consolidar o seu poder, ou uma resposta a um suposto desafio à sua autoridade.

Os analistas dispõem de poucos dados para avançar em suas especulações. No entanto, ontem eles preferiram concentrar-se nas recentes indicações da Coreia do Norte, incluindo o primeiro discurso público pronunciado por Kim em abril, no qual ele, aparentemente, enfatizou a necessidade do partido de retomar o controle dos militares.

Consolidação. "O que está havendo é um jogo de poder e é evidente que o partido ganhou o primeiro round contra os generais", disse Chang Yong-seok, pesquisador do Instituto para os Estudos sobre a Paz e da Unificação na Universidade Nacional de Seul. "O que vemos não é apenas uma reformulação dos cargos militares, mas a continuação da reorganização da elite do poder."

O pai de Kim, Kim Jong-il, teve um derrame, em 2008, e designou seu terceiro filho como sucessor, em 2010. Desde então, houve uma série de mudanças nas Forças Armadas e no partido com a finalidade de ajudar o filho a consolidar o poder. Kim-pai designou Ri para ajudar o filho a assumir o controle das Forças Armadas, que se tornaram a instituição mais influente do país graças à política de Kim Jong-il, para quem os militares estavam em primeiro lugar.

Após a morte do pai, em dezembro, Kim e seus mentores trataram de moderar os militares que exerciam um poder excessivo, de acordo com analistas. Desde então, membros do alto escalão do partido, como Jang Song-thaek, o tio de Kim, assumiram postos-chave nas Forças Armadas.

Um dos principais desafios para Kim foi conseguir conter os militares possivelmente descontentes com a intrusão de representantes do partido em sua hierarquia e usar as rivalidades institucionais entre o partido e o Exército para consolidar seu poder, como fez seu pai e seu avô, fundador da Coreia do Norte, Kim Il-sung. Segundo analistas, as mudanças na cúpula podem estar por trás de uma intensa luta pelo poder.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.