EFE/EPA/GIUSEPPE LAMI
EFE/EPA/GIUSEPPE LAMI

Quarentena pelo coronavírus põe em risco 600 animais de zoológico na Itália

Com o isolamento decretado pelo governo, alimentação dos animais do Safari Park de Pombia, em Novara, inspira preocupações

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de março de 2020 | 07h57

NOVARA, ITÁLIA - Um zoológico de Novara, no norte da Itália, lançou uma campanha pedindo socorro. Com as regras de isolamento impostas pelo governo italiano em razão do coronavírus, a administração do Safari Park de Pombia está com dificuldades operacionais para manter a alimentação dos mais de 600 animais do estabelecimento.

De acordo com o proprietário do zoológico, Orfeo Triberti, as dificuldades vão desde garantir a compra dos alimentos para os animais, até fazer a manutenção do estabelecimento, que abriga espécies como dromedários, girafas, rinocerontes e elefantes

“A situação não é trágica ainda, mas poderia ser. Nossos animais necessitam de comida permanentemente. A questão é o tempo. Quanto tempo vai durar isso (a quarentena)?”, disse.

Para contornar a crise provocada pela pandemia, a administração lançou uma campanha de venda antecipada para a reabertura do safari, com ingressos válidos até o dia 31 de dezembro. Pessoas aderiram a campanha e começaram a compraram as entradas. Outros mandaram materiais e comida. “O povo respondeu ao nosso pedido de ajudo. Recebemos comida, legumes, frutas e combustível. O problema será manter o abastecimento”, afirmou Triberti.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Buon appetito #safari#safaripark#parcofaunistico#parcodivertimento#passioneeamoreperglianimali#giraffa

Uma publicação compartilhada por Safari Park - Lago Maggiore (@safariparkpombia) em

Um empregado do zoológico, Alessandro Gambelli, assegurou que que os animais estão com boa saúde, mas ponderou: “uma vez que não se tenha mais comida, vamos ter problemas”.

Com mais de 3.400 pessoas mortas pelo coronavírus, a Itália é o país mais afetado pela nova pandemia. Cerca de 60 milhões de italianos permanecem em isolamento em suas casas há uma semana, e só podem sair por razões profissionais e em casos excepcionais./ AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.