Ibraheem Abu Mustafa/Reuters
Ibraheem Abu Mustafa/Reuters

Quarteto de Madri pede calma a Israel e palestinos

Aviões israelenses bombardearam a Faixa de Gaza pelo quarto dia seguido nesta segunda-feira

AE, Agência Estado

12 de março de 2012 | 15h31

NOVA YORK - O Quarteto de Madri para o Oriente Médio - formado por Estados Unidos, Rússia, União Europeia e Organização das Nações Unidas (ONU) - pediu nesta segunda-feira, 12, aos israelenses e palestinos que parem com as "ações provocativas" em uma tentativa de acabar com os choques que recomeçaram na sexta-feira passada.

 

Veja também:

especialMapa: as fronteiras da guerra no Oriente Médio

 

Representantes do Quarteto, incluindo a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, e o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, discutiram hoje na ONU a nova crise entre Israel e os palestinos.

Os quatro "discutiram a situação crítica em Gaza e no sul de Israel, ao expressar uma séria preocupação pela recente escalada e pedem calma", disse o comunicado publicado após a reunião. "O Quarteto reitera seu chamado às partes para que permaneçam em diálogo e se abstenham de ações provocativas".

A representante de política externa da União Europeia, Catherine Ashton, participou da reunião por teleconferência, enquanto o enviado do Quarteto, Tony Blair, e o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, estiveram nas discussões, informa a agência France Presse (AFP).

Aviões israelenses bombardearam a Faixa de Gaza pelo quarto dia seguido nesta segunda-feira. Pelo menos 23 palestinos foram mortos desde a sexta-feira. Israel afirma que os militantes disparam dezenas de foguetes contra seu território. Hillary condenou "em termos fortes" o disparo de foguetes contra Israel. "Nós pedimos aos responsáveis que tomem uma ação imediata para parar esses ataques", ela disse. "Nós pedimos a todas as partes que façam todos os esforços para restaurar a calma".

As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.