Quarteto do Oriente Médio apoia energicamente 'visão' de Obama

Grupo está de acordo com planos do presidente americano para criação de um Estado palestino

Associated Press

20 de maio de 2011 | 14h06

NOVA YORK - O Quarteto para o Oriente Médio afirmou apoiar energicamente a "visão" do presidente americano, Barack Obama, para a criação de um Estado palestino desmilitarizado nas fronteiras anteriores a 1967, de acordo com um comunicado divulgado nesta sexta-feira, 20.

 

Veja também:

blog Chacra: Obama define sua paz para Israel e palestinos

lista Leia: A íntegra do discurso de Barack Obama

especialInfográfico: Os principais pontos da fala de Obama

especialInfográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

especialLinha do tempo: Idas e vindas das negociações de paz

 

O grupo - formado por EUA, Rússia, Organização das Nações Unidas (ONU) e União Europeia - afirma que o ponto de partida para a paz entre palestinos e israelenses apresentado por Obama - fornece "uma fundação para ambos os lados chegarem a uma resolução final do conflito por meio de negociações e acordo mútuo em vários aspectos".

 

Ainda de acordo com o documento, o Quarteto apela para israelenses e palestinos a "superar os atuais obstáculos e retomar as negociações de paz diretas". O grupo tem se empenhado nos últimos meses para fazer as partes voltarem a conversar, já que não há diálogo desde setembro.

 

O comunicado do Quarteto faz referência ao discurso de quinta-feira do presidente americano, quando disse apoiar a criação de um Estado palestino com base nas fronteiras anteriores à Guerra dos Seis Dias de 1967, em que Israel tomou a Faixa de Gaza, a Cisjordânia e Jerusalém Oriental, expondo sua perspectiva para a resolução do conflito no Oriente Médio.

 

As declarações de Obama, comemoradas por palestinos e criticadas por israelenses, foram feitas às vésperas de seu encontro com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu. Os chefes de Estado devem discutir a questão na Casa Branca em clima de tensão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.