"Quase 100% das coisas saíram bem", diz o prefeito de NY

O prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, afirmou esta manhã em uma entrevista coletiva que o fornecimento de energia elétrica deve estar normalizado até o final do dia e, fazendo um balanço da situação, disse ?quase 100% das coisas saíram bem? - destacando, porém, que devido ao blecaute na maior cidade dos Estados Unidos houve uma morte e que um bombeiro ficou gravemente ferido.Em atendimento à população, garantiu, as equipes essenciais da prefeitura vão trabalhar normalmente hoje. A Big Apple atendeu a 80 mil chamadas de emergência efetuadas desde o início do apagão e, ao responder a uma delas, um bombeiro ficou gravemente ferido, informou Bloomberg. A cidade conservou a calma enquanto a polícia e os bombeiros se encarregavam de responder aos pedidos de ajuda e enfrentavam 60 incêndios graves, a maioria dos quais provocados pelo uso de velas acesas para diminuir a escuridão. Houve mais de 800 resgates em elevadores, disse Bloomberg ao elogiar a resposta da cidade. Ele exortou a população a não ir trabalhar e permanecer em casa. ?Há coisas piores do que deixar de trabalhar numa sexta-feira de verão?, afirmou. Entre as exceções aos ?quase 100%? , estão uma vítima fatal de um enfarte durante um incêndio e ferimentos graves em um bombeiro. Também houve algumas detenções em Nova York e alguns saques em Detroit, segundo a polícia, que informou sobre a prisão de 26 pessoas por saques esporádicos no bairro do Brooklyn e também alguns assaltos em outras áreas daquela cidade industrial. Na noite de quinta-feira, uma explosão sacudiu a refinaria Marathon Oil, no estado de Michigan, que provocou a retirada de centenas de moradores de seus arredores. Funcionários da companhia disseram que a explosão ocorreu em uma das chaminés da usina que libera os gases nelas produzidos. Isto foi resultado do blecaute, segundo um dos bombeiros que atenderam a ocorrência no complexo de 74 hectares que produz gasolina e combustível para aeronaves, além de outros derivados de petróleo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.