Quase 60 detentos fogem de prisão em Timor Leste

Quase 60 prisioneiros fugiram de uma prisão em Timor Leste nesta quarta-feira, inclusive dezenas de pessoas detidas durante episódios de violência política ocorridos no primeiro semestre deste ano e milicianos pró-Jacarta que lutaram contra a independência timorense no fim do século passado.Entre os foragidos está o major Alfredo Reinado, um ex-líder paramilitar acusado de liderar um grupo de soldados rebelados nos episódios de violência política de três meses atrás.Mantenedores de paz estrangeiros usaram helicópteros para procurar pelos foragidos, disseram testemunhas. Até o início da noite, porém, não havia informações sobre detentos recapturados.Carlos Sarmento, secretário de administração penitenciária, atribuiu a fuga à escassez de carcereiros. Segundo ele, muitos não voltaram ao trabalho depois dos episódios de violência de maio, nos quais pelo menos 30 pessoas morreram e mais de 150.000 fugiram. "Não temos homens o bastante", disse Sarmento.Enquanto isso, o primeiro-ministro do Timor Leste, José Ramos Horta, convocou uma reunião emergencial de gabinete para discutir o incidente.De acordo com Sarmento, 57 detentos fugiram da penitenciária de Becora, em Díli, depois de arrombarem as celas da ala leste do presídio.Dezenas dos foragidos haviam sido detidos por soldados estrangeiros por porte ilegal de armas durante os distúrbios de maio. Também fugiram ex-milicianos condenados por envolvimento na violência promovida por forças paramilitares pró-Indonésia em 1999, quando centenas de pessoas foram assassinadas no período que sucedeu a votação pela independência do Timor Leste.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.