Quase 70 jornalistas foram mortos em 2011

Pelo menos 66 jornalistas foram mortos no mundo todo ao longo de 2011, informou ontem ONG Repórteres Sem Fronteiras (RSF). Pelo segundo ano consecutivo, o Paquistão foi o país mais perigoso para o exercício do jornalismo, com dez profissionais mortos. Outros 20 morreram no Oriente Médio e 20 na América Latina. As coberturas mais perigosas foram a Primavera Árabe e o tráfico de drogas no México.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.