Quase metade dos japoneses quer renúncia de Abe, diz pesquisa

Aprovação de primeiro-ministro do Japão está abaixo dos 30%; Abe garante que continua no cargo

Chisa Fujioka, REUTERS

31 Julho 2007 | 08h29

Quase a metade dos eleitores do Japão deseja a renúncia do primeiro-ministro Shinzo Abe, segundo uma pesquisa divulgada nesta terça-feira, 31. Após uma devastadora derrota eleitoral, cresceram também os pedidos da oposição e dentro do próprio partido do premiê por sua saída. O índice de aprovação de Abe caiu abaixo dos 30% , número considerado crítico para a continuidade de um gabinete, de acordo com sondagem realizada pela agência de notícias Kyodo nos últimos dois dias. Abe prometeu que ficará no cargo, apesar de sua coalizão ter perdido a maioria no Senado depois da eleição de domingo - que foi seu primeiro grande teste eleitoral desde que assumiu o poder, em setembro. A pesquisa Kyodo mostrou que 49,5% dos entrevistados disseram que Abe deveria renunciar, enquanto 43,7% afirmaram o contrário. O apoio ao seu gabinete caiu para 29%, 6,8 pontos abaixo de uma pesquisa feita em junho. O bloco de Abe não sai automaticamente do governo com a derrota no Senado, já que tem grande maioria na Câmara dos Deputados, mais poderosa. Além disso, a falta de sucessores adequados no seu Partido Liberal Democrático (PLD) pode ajudá-lo a sobreviver. "Aceitarei humildemente as duras críticas e farei o meu melhor para mostrar resultados", declarou Abe a repórteres. Yasuhisa Shiozaki, braço direito do premiê, admitiu que alguns membros do partido questionaram nesta terça-feira a intenção de Abe de continuar no cargo.

Mais conteúdo sobre:
Japão PESQUISA Abe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.