EFE/EPA/MOHAMMED SABER
EFE/EPA/MOHAMMED SABER

Quatorze pessoas ficam feridas em possível ataque com carro em Jerusalém

O veículo sobrevoou uma multidão no centro da cidade; foi aberta uma investigação por "ataque terrorista"

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de fevereiro de 2020 | 03h34

JERUSALÉM - Quatorze pessoas ficaram feridas, uma delas seriamente, quando um carro sobrevoou uma multidão no centro de Jerusalém na manhã de quinta-feira, 6, salva-vidas e policiais disseram que abriram uma investigação por "ataque terrorista". A organização de salva-vidas Magen David alegou ter "assistido e evacuado" 14 pessoas à altura da Primeira Estação, um centro de lazer e vida noturna da Cidade Santa localizada em Jerusalém Ocidental, mas que faz fronteira com o lado leste.

Segundo a polícia, o carro bateu na multidão por volta das 1h45 (hora local) na avenida que limita a antiga estação de trem otomana convertida em um local de entretenimento, com muitos bares e restaurantes. "Unidades policiais e socorristas chegaram ao local e estão tentando encontrar o veículo. Foi aberta uma investigação por um ato terrorista", disse o porta-voz da polícia israelense Mickey Rosenfeld. Uma pessoa ficou gravemente ferida, outro"moderadamente" e as outras 12 ocm ferimentos leves, disseram os socorristas. "Tratei uma pessoa que estava em estado grave após sofrer um trauma", disse Aharon Pomp, salva-vidas da organização United Hatzalah.

O incidente ocorre pouco mais de uma semana após o anúncio do projeto dos EUA para o Oriente Médio, que planeja tornar Jerusalém a capital "indivisível" de Israel. Sob esse plano promovido pelo presidente Donald Trump, Israel também poderia anexar as colônias judaicas na Cisjordânia ocupada, especialmente no vale do Jordão. O projeto também inclui a criação de um estado palestino desmilitarizado no restante da Cisjordânia e na Faixa de Gaza.

Israel aceitou o plano, mas os palestinos o condenaram, tanto o secular Fatah do presidente palestino Mahmoud Abbas, que irá à ONU na semana que vem, quanto os islâmicos do Hamas na Faixa de Gaza.

Ataques em Gaza

Antes do amanhecer desta quinta-feira, o exército israelense atacou posições do movimento islâmico palestino Hamas após o lançamento de balões incendiários de Gaza a Israel. Durante esses ataques com aviões ", ele apontou para a infraestrutura subterrânea usada pelo Hamas", afirmou o exército em comunicado.

Os ataques do exército israelense causaram destruição em casas ao norte do campo de refugiados "al Shati", também conhecido como "Beach Camp", e chegaram a instalações perto de Rafah, no extremo sul da Faixa de Gaza, segundo testemunhas e fontes da segurança palestinas. As fontes não informaram feridos nesses novos ataques, que também ocorrem após uma série de disparos de foguetes e morteiros da Faixa de Gaza.

O Hamas controla Gaza desde 2007 e Israel culpa o movimento islâmico por todos os foguetes do enclave, onde o estado hebraico também tem como alvo outros movimentos armados palestinos. Desde 2008, Israel travou três guerras contra o Hamas e grupos armados aliados em Gaza, um enclave de dois milhões de palestinos submetidos a um bloqueio israelense por mais de uma década. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.