Quatro civis e dois soldados morrem em ataques na Tailândia

Quatro civis e dois soldados morreram em diversos ataques realizados por rebeldes na conflituosa região muçulmana do sul da Tailândia, indicaram fontes oficiais. Os dois soldados morreram na noite de domingo depois da explosão de uma bomba durante a passagem de um comboio de veículos militares que se dirigia para um quartel na província de Yala, após apaziguar um protesto de camponeses em um povoado da região. Cerca de mil de camponeses participaram do protesto, exigindo a retirada do povoado dos 40 soldados enviados na semana passada, que foram acusados de matar um aldeão muçulmano. Outros três soldados do mesmo destacamento ficaram feridos por causa da explosão da bomba, segundo assinalou o general Paitoon Choochaiya, da chefia militar regional. Também no domingo, quatro civis foram assassinados a tiros e outros seis ficaram feridos em ataques de supostos militantes do movimento separatista islâmico em diferentes lugares das províncias de Yala, Patrani e Narathiwat. A escala da violência na região muçulmana acontece enquanto o Governo pró-militar do primeiro-ministro interino, general Surayud Chulanont, tenta uma aproximação com a comunidade islâmica para melhorar a situação. Mais de 1.700 pessoas morreram na região desde que o movimento separatista islâmico, integrado por diversos grupos rebeldes, retomou a luta armada, em janeiro de 2004, após uma década de pouca atividade guerrilheira.

Agencia Estado,

06 Novembro 2006 | 02h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.