Quatro estados americanos declaram emergência após vazamento de petróleo

Derramamento tem potencial para se transformar em um dos piores da história dos Estados Unidos

estadão.com.br

30 de abril de 2010 | 19h44

Barreira instalada ao redor de uma pequena ilha em Port East para deter vazamento    

 

NOVA YORK - Os governadores dos estados norte-americanos do Alabama e do Mississippi seguiram os passos de seus colegas da Louisiana e da Flórida e decretaram nesta sexta-feira, 30, estado de emergência em resposta a um vazamento de petróleo que avança pelo Golfo do México.    

 

Veja também:

link Limpeza de vazamento custa US$ 6 milhões ao dia

link Vento e maré devem agravar contaminação 

mais imagens OLHAR SOBRE O MUNDO: Tragédia no Golfo do México

especial Principais vazamentos de petróleo no mundo e nos Estados Unidos

O anúncio ocorre em um momento no qual os estados da costa norte-americana do Golfo preparam-se para enfrentar os efeitos de um derramamento de petróleo com potencial de transformar-se em um dos piores da história norte-americana se não for contido.

A declaração do estado de emergência permite aos governadores promoverem uma série de medidas preparatórias para assegurar que os estados estarão prontos para responder ao vazamento se e quando a mancha de petróleo chegar ao litoral.

"Este derramamento representa uma ameaça a nosso ambiente e a nossa economia", declarou Bob Riley, do Alabama. "As agências de nosso estado estão trabalhando em conjunto com as agências federais para preparar o Alabama para um desastre ambiental sem precedentes", disse.  

 

O governador da Flórida, Charlie Crist, afirmou que é preciso tomar "precauções para proteger nossos recursos naturais, praias e outros ecossistemas costeiros, bem como o bem-estar geral do estado".

 

Uma gigantesca mancha de petróleo de 1.500km², proveniente do poço da companhia britânica BP acidentado, alcançou nesta sexta-feira o litoral da Louisiana.

 

Texto atualizado às 03h05.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.