Quatro feridos em explosão de carta-bomba na Espanha

Um dia antes das eleições municipaise regionais na Espanha, uma pequena bomba colocada em umenvelope explodiu neste sábado em uma agência dos correios nacidade de Valência e deixou quatro pessoas feridas, segundofontes do Ministério do Interior. A propaganda eleitoral desapareceu da tela dastelevisões e as rádios silenciaram sobre temas políticos apósuma intensa campanha de duas semanas em que o primeiro-ministroespanhol, José María Aznar, tentou proteger a imagem de seuPartido Popular (PP) entre as críticas por seu apoio aos EUAdurante a guerra no Iraque. No encerramento da campanha do PPontem à noite em Valladolid, Aznar, em tom emocionado, destacouos feitos de seu governo e pediu um voto de confiança doseleitores em seu partido. Para as eleições em 8.000 municípios e os legislativosde 13 das 17 regiões espanholas, espera-se o comparecimentode 34 milhões de eleitores. Os resultados deverão ser divulgadosno domingo à noite, após o encerramento da votação. A tranqüillidade do dia de reflexão que antecede opleito foi rompida pela explosão desta manhã, que não parece serobra do grupo separatista basco ETA, disse João Cotino, delegadodo governo em Valencia. O envelope continha apenas uma pequena quantidade depólvora, disse Cotino, enquanto que o ETA costuma usar bombas devários quilos em seus atentados, aos que se atribuem 800 mortesdesde 1968. Os investigadores não descartam nenhuma possibilidade,mas suspeitam que o ataque pode ter sido realizado por um grupoanarquista ou extremista da esquerda, afirmou Cotino. A bomba, colocada em um envelope de cor marrom, explodiuquando carteiros manipulavam algumas caixas. A prefeita deValencia, Rita Barbera, disse que três funcionários ficaramlevemente feridos e um irá precisar de uma intervençãocirúrgica. Ela pediu que a população, em resposta, compareçamaciçamente às urnas. E em Hijar, um povoado aragonês na província de Teruel,a população local acompanhou consternada os funerais dacandidata a prefeita pelo partido governista, Patricia Maurel,de 29 anos, assassinada ontem por seu marido em um ataque deciúmes. Maurel e seu marido tinham três filhos de 3, 7 e 9 anos. O motivo do crime não foi divulgado oficialmente, masnoticiários locais se referem a uma crise de ciúmes do marido.Com o homicídio, a candidata se tornou a 27ª mulher a serassassinada este ano na Espanha por seu parceiro devido aciúmes.

Agencia Estado,

24 de maio de 2003 | 11h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.