Quatro jornalistas italianos são sequestrados na Líbia

Repórteres teriam sido entregues a soldados leais a Kadafi; por telefone, grupo disse estar bem

Agência Estado

24 de agosto de 2011 | 16h10

ROMA - Quatro jornalistas italianos foram sequestrados na Líbia nesta quarta-feira, 24, informou a agência Ansa, quando viajavam de carro da cidade de Zawiyah a Tripoli. Segundo a agência italiana, os quatro sequestrados são Giuseppe Sarcina e Elisabetta Rosaspina, do Corriere della Sera, Domenico Quirico, do La Stampa, e Claudio Monici, do Avvenire.

 

Veja também:

TWITTER: Leia e siga nossos enviados à região

OPINE: Onde se esconde Muamar Kadafi?

CHACRA: Há mentirosos entre a oposição na Líbia

ESPECIAL: Quatro décadas de ditadura na Líbia

RADAR GLOBAL: Os mil e um nomes de Kadafi

ARQUIVO: ‘Os líbios deveriam chorar’, dizia Kadafi

VISÃO GLOBAL: A insustentável situação de Kadafi

HORÁRIO em Trípoli

 

De acordo com a agência, os jornalistas iam de uma cidade a outra quando um grupo de civis líbios parou o veículo na estrada e matou o motorista. Os quatro, então, foram entregues para soldados leais a Muamar Kadafi e levados para Trípoli.

 

Os sequestradores deixaram Monici telefonar para a redação do Avvenire em Roma para comunicar o sequestro. Ele afirmou que o grupo está bem e pediu para os profisisonais do jornal "avisarem as famílias, o governo e as publicações" onde os outros repórteres trabalham. O italiano ainda disse que os líbios que os capturaram confiscaram seus pertences.

Posteriormente, o cônsul da Itália em Benghazi, Guido de Sanctis, conseguiu entrar em contato com os jornalistas. O Ministério de Exteriores italiano comunicou que já acionou seu departamento de "crises" para cuidar do assunto e assegurar a libertação dos profisionais.

A União Europeia pediu a libertação dos jornalistas italianos. “Esperamos que eles sejam libertados sãos e salvos o mais rápido possível”, disse um porta-voz da chefe da diplomacia do bloco, Catherine Ashton.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.