Quatro jornalistas são presos e outros feridos em Mianmá

É o que afirmam grupos de mídia. Repórteres sem Fronteiras denuncia repressão

Associated Press

01 de outubro de 2007 | 04h42

Pelo menos quatro jornalistas estão presos e cerca de 10 outros foram feridos durante protestos contra o regime militar de Mianmá (antiga Birmânia), disse um grupo de defesa. Veja também:Japão estuda sanções econômicas contra MianmáEnviado da ONU estende missão para encontrar chefe da Junta Militar  As atividades pró-democracia perduraram todo o dia de acordo com uma declaração do Repórteres sem Fronteiras. "A comunidade internacional precisa fazer algo para frear a repressão e deve reunir esforços pelos civis detidos". Min Zaw, de 56 anos, está preso desde a última sexta-feira, 28. Ele é repórter de um jornal japonês, o Tokyo Shimbun. Estava com roupas civis e segurança pessoal. Desde então não é mais visto.  Um vídeo repórter japonês, Kenji Nagai, foi morto na cidade de Rangun na semana passada. Alguns outros correspondentes da mídia estrangeira, incluindo Reuters e France Press, foram atacados ou sofreram atraso no trabalho durante o mês passado, disse a declaração da entidade.  O noticiário tailandês baseado no website Irrawaddy reportou que outros três jornalistas birmaneses Kyaw Zeya Tun, 23 anos, que trabalhava no jornal The Voice, Nay Lin Aung, 20, do semanário 7 Day News, e a não identificada jornalista do Weekly Eleven News, estão desaparecidos há alguns dias. A expectativa é o que o sumiço tenha ocorrido durante demonstrações militares, afirmou um grupo de mídia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.